GRÁTIS LIVRO MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM

Total de visualizações de página

CIDADE ALERTA

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PAULO AFONSO NA BAHIA: MARCADO O JULGAMENTO DO PREFEITO ANILTON BASTOS POR CRIME DE IMPROBIDADE

SE O PREFEITO DE PAULO AFONSO SERÁ ABSOLVIDO, SÓ DEUS SABE. O FATO É QUE O JULGAMENTO ESTÁ MARCADO PARA O DIA  23 DE SETEMBRO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA BAHIA
CRIME: IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA





Ar  de puro cinismo, certo da 'certeza' da impunidade ,porque se sente protegido quer seja com recursos judiciais , quer seja com mobilidade política; acendendo uma vela a Deus e outra ao diabo; o prefeito de Paulo Afonso, no Norte da Bahia, será julgado por crime de improbidade administrativa no dia 23/09, data que seu processo foi incluído em pauta para julgamento pelo Tribunal de Justiça da Bahia.


Acusado em dois processos na Bahia por crime de improbidade e um outro em Brasília por crime de responsabilidade , o prefeito ficou conhecido nacionalmente por ser o único do país a receber salário superior ao da presidente da República, Dilma Rousseff . Sendo ainda investigado pela Polícia Federal (com inquérito que corre em Juazeiro); o mesmo está tranquilo e certo da impunidade, pois como é ligado ao maior grupo político da região o deputado Luiz de Deus e detém  mídia publicitária de uma rádio local, que praticamente vive fazendo apologia ao prefeito e ao grupo dos Deuses e descendo a madeira no PT; escondendo-se no manto da proteção petista do deputado Josias Gomes e Paulo Rangel; que no afã de lograrem êxito em suas campanhas acreditam que o prefeito estaria fechado com o PT, numa clara alusão de ilusão do governador Jaques Wagner; que não é menino e não nasceu ontem... aquele por sua vez , vai levando com a barriga ,mas sem se meter nas decisões do judiciário com relação aos problemas do prefeito Anilton Bastos.

Anilton ou finge que não tem problema, ou está  completamente fora de órbita, sem noção da gravidade de sua situação, pois todos já viram que ele não pode e não tem como oferecer apoio a Paulo Rangel, afirmar que apoia Wagner quando seus parentes, amigos pessoais e integrantes do grupo dos Deuses; são ferrenhos opositores a esse mesmo governador que diz o prefeito, estaria apoiando.

Se condenado, o inferno astral do prefeito somente estará começando, pois todos sabem como tem sido a gestão do mesmo na cidade de Paulo Afonso, que diga-se de passagem padece de segurança, educação, infra estrutura e até bem pouco tempo tinha um Secretário de saúde acusado de homicídio.

Anilton é daqueles que fingem ser para ver como seria se realmente fosse...o que não sabe é que tais fingimentos são detectáveis à olho nu, quiçá despido.


informações sobre o processo no link:

Leia mais

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

JOÃO LEÃO SAI EM DEFESA DE MARIO NEGROMONTE


EM ATO DE VERDADEIRA NOBREZA O CANDIDATO A VICE GOVERNADOR NA CHAPA DO  PT, DEFENDE MARIONEGROMNTE CONTRA JOSÉ CARLOS ALELUIA
 
Negromonte se cala. João Leão esbraveja contra Aleluia
 
Por: Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews) - 11 de Setembro de 2014 - 09h53
Mario Negromonte não quis falar sobre a representação que o presidente do DEM na Bahia, José Carlos Aleluia, fez ontem contra ele no TCM por conta do suposto envolvimento no escândalo da Petrobras. Limitou-se a dizer que foi deputado federal por seis mandatos, é ficha-limpa e, no caso da Petrobras, nada há contra ele. E concluiu. “Aleluia é meu inimigo pessoal”.

Segundo a coluna Tempo Presente, o deputado federal João Leão (PP), vice de Rui Costa e amigo de Negromonte, tomou as dores e partiu para ataque contra Aleluia. "Quem tem rabo de palha não toca fogo no rabo dos outros. Aleluia deveria ficar calado. Ele já esqueceu da CPI dos Anões do Orçamento? Quem quiser saber dessa história leia o livro de Fernando Rodrigues ‘A farsa da CPI do Orçamento’. Se Aleluia é tudo isso que diz, deveria se propor a abrir os sigilos bancários dele da época da CPI, e Negromonte abriria os dele agora. Aí veríamos quem é quem".


http://www.bocaonews.com.br/noticias/principal/politica/95465,negromonte-se-cala-joao-leao-esbraveja-contra-aleluia.html
Leia mais

JAQUES WAGNER GARANTE: HOSPITAL ESPANHOL NÃO VAI VIRAR HOTEL DE LUXO

BARRADA PELO GOVERNADOR JAQUES WAGNER A ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA QUE PRETENDIA FAZER DO HOSPITAL UM HOTEL DE LUXO




Assinado o decreto pelo Governador Jaques Wagner, que transforma o hospital espanhol em bem de utilidade pública, inviabilizando a especulação imobiliária que pretendiam usurpar o hospital para transformar em hotel de luxo, numa "barra" com orla recuperada e com vista privilegiada. O próximo passo agora é assegurar os recursos para renegociar as dívidas do Hospital ou a possível federalização do mesmo em parceria com  o governo do Estado da Bahia.
O Governador deu um golpe fatal, numa corja empresarial que tem tomado conta da cidade de Salvador, privatizando estacionamentos em shoppings , derrubando espaços de mata atlântica e passando por cima de tudo e de todos para construir o que atrai os olhos dos classes médias que compram a preço de olho e muitas vezes não têm se quer como pagar o condomínio.
Esse pessoal em sua maioria não pode morrer de amores pelo governador Jaques Wagner; esses são os donos de estacionamento, empresas de eventos ,construtoras e etc; que nunca aparecem e sempre tem  "testas de ferro" para garantirem seus interesses mesquinhos e escusos.

Parabéns ao governador Jaques Wagner pela rapidez com que agiu para garantir a existência do hospital, agora vamos esperar pela federalização do hospital , em parceria com o governo do Estado e até a iniciativa privada.

@jaqueswagner
Leia mais

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

PAULO AFONSO NA BAHIA É O PARAÍSO DOS CORRUPTOS

UMA CIDADE QUE FICA NO FIM DO MUNDO, ONDE A LEI E A ORDEM NÃO IMPERAM, ONDE O PREFEITO É PROCESSADO POR IMPROBIDADE, EMPRESÁRIOS SONEGAM IMPOSTOS, MATADOR DE DEPUTADA TRABALHAVA EM HOSPITAL PÚBLICO
ESPOSA DE JUIZ TINHA DOIS EMPREGOS PÚBLICOS COMISSIONADOS
A CÂMARA DE VEREADORES TEM 90% DOS CARGOS COMISSIONADOS, SEM CONCURSO PÚBLICO.
ESSA É PAULO AFONSO, ONDE ATÉ CARLINHOS BROWN CRITICOU A SEGREGAÇÃO
UM LUGAR EXCELENTE PARA VOCÊ FICAR RICO, SE SOUBER FAZER O "JOGO" .
BROGODÓ CITY PERDE DE LONGE !



REVISTA ÉPOCA: Ex-diretor da Petrobras preso pela operação lava jato, afirma que Mário Negromonte, irmão e Deputado Mário Jr receberam dinheiro de empreiteira investigada pela PF.


Esta semana, o escândalo com os nomes de políticos envolvidos na Operação Lava Jato e citados pelo delator Paulo Roberto Costa, o ex-executivo mais poderoso da Petrobras, trouxe à tona nomes de políticos baianos como Mário Negromonte, o filho dele e até o irmão do conselheiro do TCM.

A revista ÉPOCA obteve cópia, com exclusividade, dos principais documentos desse lote das investigações que foram apreendidos nos endereços de Paulo Roberto no Rio de Janeiro, onde ele mora. Esses documentos – e outros que faziam parte da denúncia que levou Paulo Roberto à cadeia e ainda não tinham vindo a público – parecem confirmar os piores temores de Brasília.

Paulo Roberto e o doleiro Alberto Youssef, também preso pela PF e parceiro dele, acusado de toda sorte de crime financeiro na Operação Lava Jato, eram meticulosos. Guardavam registros pormenorizados de suas operações financeiras, sem sequer recorrer a códigos.

Eles anotavam os nomes de lobistas e empresários, quase sempre os associavam a negócios e a valores em dólares, euros e reais. Os registros continham até explicações técnicas e financeiras das operações.

Os valores milionários mencionados nos documentos, suspeita a PF – uma suspeita confirmada por três envolvidos ouvidos por ÉPOCA –, referem-se a propinas pagas pelas empresas, nacionais e estrangeiras, que detinham contratos com a área da Petrobras comandada por Paulo Roberto.

Os papéis já analisados pela PF (há muitos outros que ainda serão periciados) sugerem que as maiores empreiteiras do país e as principais vendedoras de combustível do planeta pagavam comissão para fazer negócio com a Petrobras.

Para compreender o esquema, cuja vastidão apenas começa a ser desvendada pela PF, é necessário entender a função desempenhada por cada um dos principais integrantes dele. Como diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto fechava, entre outros, contratos de construção e reforma de refinarias (do interesse das empreiteiras brasileiras) e de importação de combustível (do interesse das multinacionais que vendem derivados de petróleo). Paulo Roberto assinava os contratos, mas devia, em muitos momentos, fidelidade aos três partidos que o bancavam no cargo (PT, PP e PMDB).

Segundo reportagem da revista Época, o deputado federal Mário Negromonte e o seu filho, o deputado estadual Mário Negromonte Jr., ambos do PP, receberam dinheiro da empreiteira Jaraguá, investigada na “Operação Lava Jato”.

 Além de pagamentos da Camargo Corrêa e da Sanko, aparecem nas planilhas transferências milionárias de OAS, Galvão Engenharia e Jaraguá. No total, a polícia identificou cerca de R$ 31 milhões em “pagamento com suspeita de ilicitude”.

Segundo ainda a publicação, a Jaraguá, por exemplo, foi a maior doadora dos deputados do PP em 2010. A empresa investiu 1.825 milhão em campanhas de dez deputados: um do PDT, um do PSDB e oito do PP, entre os quais, Mário Negromonte (recebeu R$ 500 mil), o filho Mario Negromonte Júnior (R$ 85 mil) e Roberto Britto (R$ 50 mil).

As contas dos três candidatos baianos foram aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além disso, a matéria da Época afirma que um dos irmãos de Negromonte, Adarico Negromonte, trabalhava no escritório de Youssef em São Paulo. Depoimentos confirmam o que a publicação define como “bico” do irmão do ex-ministro.

Como acontece em investigações desse tipo, o essencial é seguir o caminho do dinheiro. Nesse caso, seguir o dinheiro recebido e pago por Youssef. No Congresso, Youssef é tido como “banquinho” de vários políticos. Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo revelou que André Vargas pegou carona num jatinho fretado por Youssef.

O deputado se enrolou todo para explicar a relação com ele. Não é o único deputado que goza da amizade de Youssef. Segundo o depoimento de Leonardo Meireles, que trabalhava com Youssef e fez um acordo de delação premiada com a PF, Adarico Negromonte, irmão do ex-ministro e deputado do PP Mário Negromonte, trabalhava no escritório de Youssef em São Paulo. Outros depoimentos confirmam o bico do irmão do ministro.

Descobriu-se, também na semana passada, que os tentáculos de PP e de seus sócios se estendem para além da área do petróleo. Em parceria com o governo federal, por meio da elétrica Furnas, empresas ligadas a PP arremataram um leilão para administrar a Usina de Três Irmãos, em São Paulo.

A revelação dos sócios do fundo que se juntou a Furnas só ocorreu dias depois da concorrência. No dia do leilão, ninguém sabia quem estava por trás das empresas. O TCU suspendeu a assinatura do contrato atendendo a um pedido do governo paulista.

Um dos sócios de PP na empreitada chama-se João Mauro Boschiero, colega de PP no governo Collor e número dois nas impresas de PP.

As informações são da Epoca e Bocão News. 
Leia mais

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

O RETORNO DA NAZISMO AO BRASIL

O BRASIL PIPOCA EM DENUNCIAS DE CORRUPÇÃO E FRAUDES.
ÂNIMOS ACIRRADOS DÁ ESPAÇO E MARGEM PARA QUE UMA DIREITA NAZISTA SE APROVEITE DA SITUAÇÃO E FAÇA FLORESCER UM CLIMA DE PÂNICO NA DEMOCRACIA BRASILEIRA




As vezes me pergunto se justamente Dilma Roussef não foi colocada na arena, atiçada ao leões, justamente para capar de vez com a possibilidade de um governo voltado para programas sociais. Me pergunto se  essa gente toda reunida, do PT, PMDB, PSB ,PP entre outros não compactuou para tentar derrotar a atuação séria de uma pessoa comprometida com ideologia e valores e não com interesses eleitoreiros. Cercada de cobras e jararacas dentro do próprio Planalto, tem que se certificar a todo instante quem são seus verdadeiros aliados e não oportunistas de última hora.
O Congresso Nacional , está mais do que provado, não tem estadistas; todos visam lucros, interesses de alguma categoria e por aí se vai. O último índio eleito (Juruna) já fazem décadas e não se tratou de eleger mais índios e quilombolas ...

A democracia aturdida por denuncias, que sabemos todos, não alcança a Presidenta Dilma, pois indissolúvel é o fato de que a mesma não comunga com a corrupção. 


Nesse clima, o que vemos, é o ressurgimento de uma extrema direita reacionária e novos nazista que sempre estiveram lá, nunca sumiram; portanto, de novo não se tem nada, nem a metodologia oportunista de tocar fogo, matar e atacar ferozmente. Defenestrar de vez um governo socialista, que só assumiu porque não era efetivamente socialista no começo, e sim "trabalhista"; com apoio de poderosa emissora de televisão sonegadora; é esse  o real interesse de países que se preocupam em tomar conta da Amazônia, do Nióbio , do petróleo e da nossa água; além de esmeraldas e diamantes em grandes jazidas.

Sob a bandeira da "nova forma de fazer política" o que se verifica na verdade é a continuidade da corrupção; que certa vez foi a verdadeira luta do PT.

O PT autêntico precisa tomar vergonha na cara, cortar na própria carne e expurgar todos os fascistas que nele se infiltraram com o passar do tempo. Realinhar-se com compromissos sociais, econômicos e morais; sair do limbo imundo que está se metendo; quer seja por terceiros que convenceram a mudança de metodologia do partido quer seja pela vaidade do devaneio pelo poder.

Querem, mais uma vez o Brasil de quatro, pedindo esmolas e com o povo analfabeto votando por um pedaço de rapadura, tubos, telhas e blocos de cimento. permitem-se que a violência campeie desenfreadamente e com isso afastando-se dos seus compromissos com o desenvolvimento da Nação.

Dessa lama, desse buraco; precisa ressurgir um novo PT, completamente revigorado, comprometido com a ética, a moral e o combate a corrupção. Para governar tem-se a mídia que desmoraliza o oportunista que vota contra os interesses da nação e mostra o fiel retrato do político canalha que barganha empregos e cobram propinas para sustentar a tal da "governabilidade" . Comprar o Congresso não é a solução; desmoralizar os canalhas que desmoralizam a instituição legislativa sim; é a solução. Ainda que todo homem possa ter seu preço, que a ideologia seja sempre em favor do povo, pelo povo e para o povo; relacionando-se com países de primeiro mundo democráticos de direita e de esquerda.

Agora, deixar o nazismo voltar e convulsionar toda uma nação, é no mínimo uma aberração.
Leia mais

ATÉ A REDE GLOBO ESTÁ COM A BUNDA SUJA? O DELATOR QUE FALOU !

DEVENDO MILHÕES EM SONEGAÇÃO DE IMPOSTOS, E A TODO CUSTO QUERENDO ALAVANCAR A CAMPANHA DE OPOSITORES À DILMA, A REDE GLOBO FOI CITADA NO ANO PASSADO COMO EMPRESA LIGADA AOS CONTRATOS DA PETROBRÁS.
ISSO VAI VIRAR NOVELA?




Em junho passado, quando foi chamado para depor na CPI do Senado, o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, fez uma grave denúncia.
Por Altamiro Borges - Carta Maior:
O sempre antenado Rodrigo Vianna, do blog Escrevinhador, aproveitou a onda midiática em torno da “delação” de Paulo Roberto Costa para cavar uma bombástica notícia. Em junho passado, quando foi chamado para depor na CPI do Senado, o ex-diretor da Petrobras fez uma grave denúncia: “Para conhecimento de vocês, eu tenho um contrato assinado para vender uma ilha das Organizações Globo”. A mídia venal, que age como a máfia na proteção dos seus bandidos, sequer mencionou o fato. O “delator” não virou capa da Veja naquela ocasião. Willian Bonner, Patrícia Poeta, Willian Waack e outros apresentadores dos telejornais globais também não mencionaram o fato.
Um dos poucos sites que divulgou a denúncia foi o da liderança do PT na Câmara Federal. Vale conferir a matéria:
*****
Ex-diretor refuta ilações sobre Petrobras e revela contrato com Organizações Globo
10 Junho de 2014 – Site da Liderança do PT na Câmara Federal
O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto da Costa, refutou, na CPI do Senado que investiga supostas irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, no Texas, ilações que tentam comprometer a Petrobras. Ele revelou também que sua empresa mantém negócios com as Organizações Globo. Paulo Roberto lembrou que passou mais de 50 dias preso e massacrado por setores da mídia, como a Globo, com quem mantém contrato.
A revelação foi um dos pontos marcantes da CPI, nesta terça-feira (10). Em seu relato, o ex-diretor confirmou que é o dono da empresa de consultoria Costa Global e que entre os seus contratados estão as Organizações Globo. “Para conhecimento de vocês, eu tenho um contrato assinado para vender uma ilha das Organizações Globo”, revelou.
De acordo com o ex-diretor, a ilha situa-se na rodovia Niterói-Manilha. Ele frisou que o contrato firmado com as organizações da família Marinho era para que a Costa Global procurasse um leasing imobiliário para vender a área. Segundo ele, o objetivo do negócio era dar apoio para a operação offshore que atuaria para empresas que trabalhavam com a Petrobras, com a Shell, e com outras empresas que têm atividades de produção na Bacia de Campos. “Até para as Organizações Globo estamos prestando serviço”, reafirmou Paulo Roberto.
O ex-dirigente disse ainda que constituiu a Costa Global em 2012, após sua saída da estatal. Ele contou que a sua filha, Arianna Azevedo Costa Bachmann, é sua sócia e que a empresa possui 81 contratos firmados.
No decorrer de sua exposição, Paulo Roberto da Costa repudiou com veemência as “inveracidades” das acusações do Ministério Público contra a Petrobras e criticou o foco dado pela imprensa brasileira à questão.
“A Petrobras é uma empresa totalmente séria. Pode-se fazer auditoria por 50 anos dentro da Petrobras que não vão achar nada ilegal porque não há nada ilegal na Petrobras. Estão colocando a Petrobras na condição de uma empresa frágil”, afirmou. Ele observou que os controles dentro da estatal são enormes.
Abreu e Lima - Ele refutou as denúncias de suposto superfaturamento nos contratos da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. “Não é real. É uma ilação. Portanto, repudio veementemente essa suposição. Não existe organização criminosa. Não sei por que inventaram essa história. É uma história fora da realidade”, lamentou.
Operação Lava Jato – Paulo Roberto da Costa foi preso em março na Operação Lava Jato, desencadeada pela Polícia Federal. A Operação da PF investigou esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Em seu depoimento ele foi enfático em afirmar que não existe lavagem de dinheiro da Petrobras com o doleiro Alberto Youssef, também preso pela PF.
“Não sei de onde tiraram essa história. A Polícia Federal, o MP deveriam aprofundar essa análise da Petrobras, que vão chegar à conclusão de que a Petrobras não é o que estão falando. A Petrobras é uma empresa que orgulha o povo brasileiro”, afirmou.
Pasadena – Sobre a aquisição da refinaria de Pasadena, Paulo Roberto voltou a dizer o que os seus antecessores afirmaram em depoimentos na CPI. “Naquele momento era um bom negócio. Ninguém coloca petróleo cru na indústria, no carro ou no avião. Ter refinaria é algo importante e estratégico”, reafirmou.
*****
É certo que não dá para confiar nas denúncias de Paulo Roberto Costa – assim como a revista Veja e o restante da mídia não deveriam apostar todas suas fichas na sua “delação premiada” com nítidos objetivos eleitorais. Mas no caso das Organizações Globo – agora ela mudou de nome para Grupo Globo, não se sabe por qual razão –, a sua acusação mereceria ser apurada. Infelizmente, a maioria dos deputados e senadores tem um misto de sedução e medo diante da poderosa emissora. Até hoje, nenhuma suspeita sobre a Rede Globo foi investigada. Já no seu nascedouro, o contrato ilegal com a estadunidense Time-Life foi arquivado. Mais recentemente, as denúncias sobre sonegação fiscal também caíram no esquecimento.
Apesar deste triste retrospecto, não custa sugerir ao suspeitíssimo Ministério Público que investigue o contrato de venda de uma ilha do Grupo Globo. Segundo relata Fernando Rodrigues na Folha deste domingo (7), “os próximos passos da Operação Lava Jato devem ser investigar empreiteiras, diretores dessas empresas e contas no exterior usadas para o pagamento de propinas a partir de negócios da Petrobras... No depoimento de Paulo Roberto Costa, há elementos que indicam de maneira detalhada como eram abertas contas bancárias no exterior. Ele detalhou quais são as empreiteiras, quem eram os diretores e presidentes dessas empresas, onde são as contas bancárias e quem eram os beneficiários de desvios”.
Até hoje, nenhum corruptor foi preso no país. Será que o Grupo Globo, da bilionária família Marinho, será investigado algum dia. A conferir!
Leia mais

sábado, 6 de setembro de 2014

EXCLUSIVO: PRESIDENTE DILMA ROUSSEF DETERMINARÁ AFASTAMENTO DOS CORRUPTOS E APROFUNDAMENTO DAS INVESTIGAÇÕES

COM LIBERDADE DA POLÍCIA FEDERAL, A PRESIDENTE DILMA DETERMINARÁ A APURAÇÃO DAS DENUNCIAS E PRISÃO DOS ENVOLVIDOS




Em ligação telefônica, agora á noite, com um assessor de segundo escalão, ficou confirmado que a Presidente está preocupada com a situação ante a gravidade do fato das denuncias da revista Veja e, determinará que as apurações sejam a mais aprofundada possível, um tanto irritada, segundo a fonte, a mesma demonstra firmeza e está obstinada a concluir seu governo e reeleger-se com um quadro de auxiliares e parlamentares literalmente 'limpos".  A fonte, que já está no Planalto a muitos anos, assegura que a Presidente, anda mais irritada do que preocupada, pois ,segundo o mesmo, é notório para todo o povo brasileiro que a postura da presidente sempre foi de determinar a apuração e acreditar nas prisões do envolvidos. Tanto é que do público nada se esconde e a própria Polícia Federal tem carta branca para investigar todo e qualquer sujeito que esteja envolvido em corrupção no governo da Presidente. Perguntado, se a Presidente titubeia sobre a reeleição, o mesmo respondeu categoricamente; "- DUVIDO!"

Não é agora que a Presidente tem governado boicotada por todos lados, com rapinas querendo sua cabeça porque a mesma não comunga do mar de lama que estão envolvidos os parlamentares acusados pelo diretor da Petrobrás. Querem a todo custo que o nome da mesma figure como responsável sobre a onda generalizada de corrupção no Brasil; coisa que o brasileiro não suporta mais contribuir para ver seus recursos indo para o bolso de políticos inescrupulosos e empresários facínoras.
Quem garante a reeleição de Dilma? Com certeza o povo...


Leia mais

MAR DE LAMA: DELATOR ENTREGA MARIO NEGROMONTE



TEM SIDO DIFÍCIL PARA DILMA ROUSSEFF CONVIVER COM DEZENAS DE POLÍTICOS ACUSADOS DE CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO, A MESMA AFIRMOU:
"VOCÊS ESTÃO INVIABILIZANDO O MEU GOVERNO"




Ex-diretor envolve base de Dilma e Eduardo Campos

Nomes apontados como beneficiários de corrupção na Petrobras por Paulo Roberto Costa vão de parlamentares, como Renan e Henrique Alves, a Roseana Sarney, Sérgio Cabral e Eduardo Campos, diz a revista Veja. Confira a relação dos citados por ele em depoimento, segundo a semanal


Roberto Stuckert Filho/PR
Como o macacão autografado por Dilma, Paulo Roberto deixa sua assinatura nas costas dela
A edição da revista Veja que começou a circular neste sábado traz a relação de políticos (confira abaixo) que, segundo a semanal, foram apontados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como beneficiários de um esquema de corrupção na estatal operado por ele em sua passagem pela diretoria de Abastecimento, entre 2004 e 2012. Os nomes remetem a aliados das duas candidatas que lideram as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB).
A relação dos citados pelo ex-executivo vai dos atuais presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – dois dos principais aliados de Dilma no Congresso – até o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), morto em um desastre aéreo no último dia 13 e de quem Marina era candidata a vice-presidente. A participação de cada um dos mencionados ainda será objeto de investigação.
Nos depoimentos que prestou até agora à Justiça, por meio da chamada delação premiada – acordo que prevê a redução da pena do acusado em caso de colaboração efetiva com as investigações –, Paulo Roberto apontou o envolvimento dos seguintes políticos no desvio de dinheiro público da estatal:
Edison Lobão (PMDB) – ministro das Minas e Energia
João Vaccari Neto (PT) – secretário nacional de finanças do partido
Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara
Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado
Ciro Nogueira (PP-PI), senador e presidente nacional do partido
Romero Jucá (PMDB-RR), senador e ex-líder dos governos FHC, Lula e Dilma
Cândido Vaccarezza (PT-SP), deputado federal
João Pizzolatti (PP-SC), deputado federal
Mario Negromonte (PP), ex-ministro das Cidades, ex-deputado e atual conselheiro do TCM-BA
Sergio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio de Janeiro
Roseana Sarney (PMDB), governadora do Maranhão
Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco e ex-candidato à Presidência, morto no dia 13 de agosto em um desastre aéreo.


Revista usa fundo vermelho na capa, a exemplo do que fizera em edição com depoimento de Marcos Valério sobre o mensalão em 2012
Segundo a revista Veja, Paulo Roberto entregou, ao todo, os nomes de três governadores (considerando-se aí a atual governadora Roseana Sarney e os ex-governadores Sergio Cabral e Eduardo Campos), um ministro (Edison Lobão), um ex-ministro (Mário Negromonte), seis senadores e 25 deputados, além do secretário de finanças do PT. O ex-diretor da Petrobras também confirma que houve pagamento de propina no negócio que resultou na polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O prejuízo bilionário para a empresa brasileira com a compra da unidade norte-americana motivou a instalação da CPI da Petrobras.
O esquema partia de grandes empresas – a maior citada por ele é a Camargo Corrêa – que, para fechar contratos milionários com a Petrobras, transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos da base do governo e a políticos. Estes, antes de receber, tinham o dinheiro lavado por doleiros.
De acordo com Paulo Roberto, relata Veja, algumas das maiores empreiteiras do país, como a Camargo Corrêa, participavam do esquema. Segundo o ex-diretor contou, elas transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos e políticos da base aliada para fechar contratos milionários com a Petrobras. Antes de chegar ao destino final, o dinheiro era lavado por doleiro, diz a revista.
Os números dos envolvidos pelo ex-diretor no esquema operado e, agora, delatado por ele variam conforme a apuração. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Paulo Roberto disse que 32 parlamentares, um governador e cinco partidos políticos recebiam 3% de comissão sobre o valor de cada contrato da estatal no período em que ele comandava a diretoria de Abastecimento. O único nome mencionado na reportagem do Estadão é o do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
De acordo com a Folha de S. Paulo, 61 congressistas e pelo menos um governador receberam dinheiro desviado da empresa. A  exemplo de Veja, a Folha cita o envolvimento direto de três partidos da base de Dilma: PT, PMDB e PP.
Por envolverem parlamentares e ministro de Estado, os depoimentos serão remetidos ao Supremo Tribunal Federal (STF), responsável por andar andamento e julgar processos contra autoridades federais. Réu em duas ações penais – uma sobre ocultação e destruição de documentos e outra sobre corrupção –, o ex-diretor da Petrobras aceitou a delação premiada para escapar de uma pena que poderia chegar a 50 anos.
Um dos principais alvos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Paulo Roberto é acusado de ter recebido propina e de participar de um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Ele está preso em Curitiba, mas, pelo acordo firmado, deverá ser posto em liberdade com uma tornozeleira assim que concluir a série de depoimentos.

fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/a-lista-dos-politicos-delatados-por-ex-diretor-da-petrobras/
Leia mais

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

A PETROBRÁS NAUFRAGA NUM MAR DE LAMA E QUEREM LEVAR O BRASIL JUNTO


Delação premiada sobre propina a parlamentares, com citação de Renan Calheiros, pode ser a bala de prata da eleição

publicado em 5 de setembro de 2014 às 19:19
CPI - Petrobras - 2014 - CPIPETRO
Ex-diretor da Petrobrás delata propina a deputados, senadores e governador
ANDREZA MATAIS E RICARDO BRITO – O ESTADO DE S. PAULO
05 Setembro 2014 | 16h 51
Em depoimento à Polícia Federal, Paulo Roberto Costa menciona pagamentos de comissão sobre contratos da estatal a pelo menos 32 parlamentares, um governador e cinco partidos
BRASÍLIA – O ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, citou pelo menos 32 deputados e senadores, um governador e cinco partidos políticos que receberiam 3% de comissão sobre o valor de cada contrato da Petrobrás firmados durante sua gestão na diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera.
Desde sexta feira, 29 de agosto, Paulo Roberto está depondo em regime de delação premiada para tentar obter o perdão judicial. Ele é alvo da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que desmantelou um grande esquema de lavagem de dinheiro e corrupção na Petrobrás. São depoimentos diários que se estenderam por toda semana. O número de políticos citados foi mencionado por Paulo Roberto nos primeiros depoimentos, mas pode crescer até o final da delação.
Paulo Roberto relatou a formação de um cartel de empreiteiras dentro da Petrobrás, em quase todas as áreas da estatal. Partidos políticos eram supostos beneficiários de recursos desviados por meio de comissões em contratos arranjados. E exemplificou: “Todo dia tinha político batendo em sua porta”.
Num depoimento, ele citou uma conta de um “operador do PMDB” em um banco europeu. Paulo Roberto contou que os desvios nos contratos da Petrobrás envolveriam desde o funcionário do terceiro escalão até a cúpula da empresa, durante sua gestão na diretoria de Abastecimento, entre 2004 e 2012.
O ex-executivo também citou quase todas as grandes empreiteiras do País que conseguiram os contratos. Inicialmente seu alvo foram as empresas, mas não havia como isentar os políticos, uma vez que, segundo ele, foram beneficiados com propinas. Por causa da citação aos políticos, que têm foro privilegiado, os depoimentos serão remetidos para a Procuradoria Geral da República. A PGR afirmou que só irá receber a documentação ao final do processo de delação.
O acordo de delação premiada assinado por Paulo Roberto prevê praticamente o perdão judicial. A pena que ele receberá será mínima comparada aos 50 anos que poderia pegar se responder aos processos — já é réu em duas ações, uma sobre corrupção na Petrobrás e outra sobre ocultação e destruição de documentos.
O acordo prevê que o ex-executivo será colocado em liberdade quando encerrar os depoimentos. Ele deve ficar um ano usando tornozeleira eletrônica, em casa, no Rio, sem poder sair na rua.
Os depoimentos têm sido longos. No primeiro dia foram mais de quatro horas. Um advogado do Paraná que esteve com ele diz que Paulo Roberto está “exausto, mas se diz aliviado”.
O ex-executivo teria demonstrado preocupação apenas quando soube que a imprensa noticiou a delação premiada. Seu temor é se tornar um “arquivo vivo”.
Os depoimentos são todos filmados e tomados em uma sala na Custódia da PF em Curitiba. Ao final de cada dia os depoimentos são lacrados e criptografados pelo Ministério Público Federal, que os envia diretamente para a PGR, em Brasília. A PGR mandou emissário a Curitiba no início do processo de delação.
O doleiro Alberto Youssef, também preso acusado de ser um dos cabeças do esquema desbaratado pela Lava Jato, também tentou negociar com o Ministério Público Federal uma nova delação premiada (ele fez a primeira no caso do Banestado, em 2003), mas desistiu ao ser informado que pegaria pelo menos 3 anos de prisão, em regime fechado.
*******
O Estado de S. Paulo
por Andreza Matais, Ricardo Brito e Fabio Brandt
O nome do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi mencionado pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em depoimentos prestados à Justiça na tentativa de conseguir o perdão judicial por meio da delação premiada. A empresa UTC Engenharia também foi citada pelo ex-executivo como integrante do esquema que desviou recursos de contratos bilionários da Petrobras. As empresas ganhariam os contratos em troca de pagar propina de 3% para deputados e senadores, conforme antecipado pelo Broadcast e portal do Estado nesta tarde.
O Broadcast apurou que um dos negócios mencionados envolvendo Renan é um acerto com o doleiro Alberto Youssef para que o Postalis comprasse R$ 50 milhões emitidos da Marsans Viagens e Turismo, que tinha Youssef como um dos investidores. O doleiro teria se reunido com Renan, em Brasília, no início de março, para acertar a comissão do PMDB nesse negócio. O fundo de pensão dos Correios é controlado pelo PMDB e PT.
O negócio não ocorreu porque estava em curso quando Youssef e Paulo Roberto foram presos. A empresa fechou após as prisões. A assessoria de Renan afirmou que não localizou o senador para comentar o assunto. A UTC Engenharia também não respondeu até o momento os questionamentos da reportagem.
No início das investigações, foram citados nomes de vários parlamentares e partidos supostamente envolvidos no esquema de corrupção. Entre eles, o tesoureiro do PT, João Vaccari, os deputados André Vargas (sem partido-PR), Luiz Argolo (SD-BA) e o senador Fernando Collor (PTB-AL).
O Broadcast revelou hoje que o ex-diretor da Petrobras envolveu 32 deputados e senadores e um governador de cinco partidos políticos que receberiam 3% de propina em negócios com contratos da Petrobras durante sua gestão na diretoria de abastecimento da empresa. Desde a sexta-feira (29), Paulo Roberto está prestando depoimentos diários que se estenderam por toda semana numa tentativa de conseguir o perdão judicial por meio da delação premiada.
O Broadcast apurou que Paulo Roberto relatou aos policiais a formação de um cartel de partidos políticos que atuavam para desviar recursos da Petrobras por meio de comissões em contratos arranjados. E exemplificou: “Todo dia tinha político batendo na minha porta”. Num dos depoimentos, ele citou uma conta de um “operador do PMDB” em um banco europeu.
Paulo Roberto contou que os desvios nos contratos da Petrobras envolveriam desde o funcionário do terceiro escalão até a cúpula da empresa, durante sua gestão na diretoria de Abastecimento.
O ex-executivo também citou nomes de empreiteiras que conseguiram os contratos. Inicialmente seu alvo foram as empresas, mas não havia como isentar os políticos, uma vez que foram beneficiados com propinas. Por causa da citação aos políticos, que têm foro privilegiado, os depoimentos estão sendo enviados para a Procuradoria Geral da República.
A reportagem apurou que o acordo de delação premiada assinado por Paulo Roberto prevê praticamente o perdão judicial. A pena será mínima perto dos 50 anos que poderia pegar se respondesse aos processos. Paulo Roberto deve ficar um ano usando tornozeleira eletrônica, em casa, no Rio, sem poder sair na rua.
Os depoimentos têm sido longos. No primeiro dia, duraram mais de quatro horas. Pessoas que estiveram com ele dizem que está exausto, mas se diz aliviado. O ex-executivo teria demonstrado preocupação apenas quando soube que a imprensa noticiou a delação premiada. Seu temor é se tornar um “arquivo vivo”. São horas de relatos, acompanhados de um advogado, um delegado e um membro do Ministério Público.
Os depoimentos são todos filmados e tomados em uma sala na Custódia da PF. Ao final de cada dia, são lacrados e criptografados pelo MPF, que os envia diretamente para a PGR que mandou emissário a Curitiba no início do processo de delação. O doleiro Alberto Youssef, preso acusado de ser um dos cabeças do esquema desbaratado pela Lava Jato, também tentou negociar com o MP uma nova delação premiada (ele fez a primeira no caso do Banestado), mas o advogado o demoveu da ideia porque pegaria pelo menos 3 anos de prisão, em regime fechado.
PS do Viomundo: Até o primeiro turno da eleição teremos ainda mais quatro capas de Veja, devidamente repercutidas pelo Jornal Nacional. Para meus jovens leitores, funciona assim: a Veja publica uma denúncia. Pode ser completamente furada. Pode provar-se uma farsa, mas lá na frente, depois das eleições. O Jornal Nacional, sem checar o conteúdo daquela denúncia, repete feito papagaio o que escreveu a Veja. Isso causa justa revolta e indignação dos eleitores. Reforça o clima de mar de lama que já cerca a eleição de 2014. Rodrigo Vianna chamou de “delação premiada” de boca de urna.
Não, não duvido que Paulo Roberto da Costa esteja falando a verdade, nem da existência de corrupção generalizada no Brasil. Eu disse generalizada. Existem esquemas múltiplos de financiamento de campanha. Caixa dois. Em geral, quando os doadores são privados a investigação vai parar em alguma gaveta (como foi a Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal, que apurou a contabilidade paralela da empreiteira Camargo Correia). Li o relatório completo da Castelo de Areia. Estava todo mundo lá. Gregos, troianos e espartanos. Eu disse generalizada, certo?
Teremos, a partir de agora, vazamentos seletivos dos citados pelo ex-diretor da Petrobras. Será que pega o PSB, de Eduardo Campos? Neste caso seria mais herança maldita despejada no colo da musa da “nova política”.
O PMDB, de Renan Calheiros, já aparece no rolo, o que respinga diretamente no governo Dilma.
Uma investigação como esta é longa e a Polícia Federal terá de confrontar o dito pelo delator com provas materiais ou testemunhais contra os acusados. Leva meses. Porém, o que importa mesmo é o escândalo até que se conclua o período eleitoral.
Se o nome do PSB não aparecer Marina Silva ganha um tremendo reforço. Se apenas o PSDB estiver isento, Aécio Neves recupera a chance de passar ao segundo turno.
Se parlamentares petistas não estiverem envolvidos diretamente, o governo Dilma argumentará que foi a Polícia Federal que levou o caso adiante, “doa a quem doer”.
É assim que funciona o Brasil. Depois, passa-se a régua sobre as denúncias e, com base em alguma “tecnicalidade”, o caso é paralisado — foi assim com a Operação Satiagraha, que envolveu o banqueiro Daniel Dantas. Foi assim com o mensalão do PSDB e o do DEM. Afinal, quem é tentou ajudar José Roberto Arruda, aquele da propina filmada, a sair candidato em Brasília? Fernando Henrique Cardoso e Gilmar Mendes!
Ao fim e ao cabo, as denúncias servirão — em caso de vitória de Marina ou Aécio — para justificar a privatização ainda maior do pré-sal, já que o Estado “corrupto” é incapaz de fazê-lo e a “mão invisível do mercado” regula tudo naturalmente, como fez antes de mergulhar o mundo na maior crise econômica desde 1929, em 2008.
Por isso, só a Constituinte exclusiva é capaz de lidar com as questões de fundo que minam a representatividade no Brasil, inclusive o combate à corrupção que alimenta campanhas eleitorais com caixa um, dois e três.

Leia mais

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

PAULO AFONSO NA BAHIA É A CIDADE DO VELHO OESTE, ONDE O PREFEITO É ACUSADO DE CORRUPÇÃO

O CAOS SE INSTALOU DEFINITIVAMENTE EM PAULO AFONSO, NA BAHIA. A CIDADE HOJE PARECE UM VELHO OESTE. UMA CIDADE PEQUENA, COM APENAS 120 MIL HABITANTES, SENDO QUE NA ZONA RURAL MORAM MAIS DE 50 % DA POPULAÇÃO E UMA CIDADE ONDE O PREFEITO É ACUSADO DE CORRUPÇÃO.
A CULPA É DO GOVERNO FEDERAL? DO GOVERNO DO ESTADO? OU DA FALTA DE GESTÃO DO ATUAL PREFEITO?



Perseguição acaba em morte e três inocentes são baleados no centro de Paulo Afonso

Redação
redacao@ozildoalves.com.br
Crédito: Divulgação

Uma perseguição entre jovens em duas motocicletas com vários disparos de tiros no final da tarde desta quarta-feira (03/09) deixou uma pessoa morta e três feridas, no centro de Paulo Afonso.
Dois jovens ainda não identificados estavam em uma moto perseguindo outro rapaz que também estava em uma moto. A perseguição começou na Rua Hemetério de Carvalho (antiga Contorno) até a rotatória da Apolônio Sales, próximo a antiga Construvale.
Lá, os assassinos conseguiram o que queriam, mataram com vários tiros o popular de nome Francisco Clemente de Melo, mais conhecido como 'Nego', 33 anos, residente na Rua São Cristóvão, Bairro Perpétuo Socorro, que ainda foi levado para o Hospital Nair Alves de Souza, mas não resistiu.
Antes de alcançar o objetivo, os indivíduos começaram os disparos nas proximidades do Mercado da Feira. Um dos elementos sacou um revólver e começou a atirar contra 'Nego', o motociclista que estava sendo perseguido.
Transeuntes que passavam na hora correram assustados em busca de abrigos, mas infelizmente durante o percurso e com a saraivada de tiros, três pessoas inocentes foram atingidas; um homem, uma senhora e uma aluna do Colégio Luis Eduardo Magalhães que esperava por transporte para voltar pra casa na área rural.
O homem foi atingido no joelho, na segunda vítima uma bala acertou o braço, e outra atingiu de raspão a aluna. Os três foram hospitalizados e felizmente estão fora de perigo. Os feridos foram identificados como sendo Lenia Maria dos Santos, 35 anos; Luan Aquino da Silva, 21 e Márcia Guerra Alves da Silva, 19 anos.
 A polícia ainda não se pronunciou sobre o crime.

FONTE:  http://www.ozildoalves.com.br/internas/read/?id=21304
Leia mais

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

A FÉ EM SÃO BENTO DEU O NOME A MINHA FILHA BENTA

História de São Bento

São Bento

São Bento nasceu na Umbria, Itália, no ano de 480. Era de família nobre romana. Desde pequeno manifestou um gosto especial pela oração. Realizou os primeiros estudos na região de Nurcia, próximo à cidade de Spoleto. Depois foi morar em Roma para estudar filosofia.

Vida de São Bento

Um eremita chamado Romano encontrou Bento e lhe deu um hábito de monge. Romano ensinou a São Bento tudo sobre a vida de eremita e levando-o para uma gruta escondida, (gruta santa), no monte de Subíaco. Lá, o jovem Bento aprofundava-se na vida de eremita e Romano o ajudava regularmente com alimentos.
São Bento ficou ali por 3 anos só em orações e estudos, sem receber visitas. Um dia, porém, um sacerdote da região, fazendo seu jantar, ouviu uma voz dizendo: estás fazendo seu jantar enquanto meu servo Bento morre de fome no deserto.  O sacerdote, com muito esforço, partiu para o deserto, encontrou a gruta em que Bento estava escondido e após uma oração, disse que era o dia da Páscoa do Senhor e serviu-lhe a comida.
Tempos depois o jovem bento foi descoberto por pastores e assim passou a receber muitas visitas para conselhos e orações. Logo sua fama começou a crescer e ele passou a ser visitado por mais e mais pessoas em busca de aconselhamentos e orações.

Tentativa de assassinato

Por causa de sua fama de santidade, São Bento foi chamado para ser o abade (superior) do convento de Vicovaro. Ele aceitou, desejando prestar um serviço. Porém, não combinou com a vida que os monges viviam, porque não era incondicional como ele achava que deveria ser o seguimento de Cristo.
Foi se formando entre os religiosos uma antipatia contra o santo, chegando ao cúmulo de tentarem matá-lo com veneno, mas, abençoando a taça de vinho envenenada, como fazia com todos os alimentos que comia, ela se quebrou. Assim, bento disse em seguida que Deus perdoe a vocês, meus irmãos. Depois disso, abandonou o convento e voltou para Subíaco.

A primeira ordem monástica da história

São Bento fundou em poucos anos doze mosteiros. Antes de Bento, os monges viviam como eremitas, isolados, sozinhos. São Bento organizou a vida monástica comunitária e os mosteiros começaram a florescer. Todos eles seguiam a famosa Regra de São Bento.  As famílias nobres de Roma começaram a mandar seus filhos para estudarem nos mosteiros fundados por São Bento. Santo Plácido e São Mauro estavam entre os educandos de São Bento.

A Regra de São Bento

A Regra de São Bento (Regula Monasteriorum) é um livro escrito por São Bento, com as regras para a vida monástica comunitária. É um livro com 73 capítulos curtos. A regra prioriza o silêncio, a oração, o trabalho, o recolhimento, a caridade fraterna e a obediência. Assim nascia a famosa Ordem dos Beneditinos, ou Ordem de São Bento, que permanece viva e atuante até hoje, seguindo a mesma regra escrita há mais de 1500 anos. A Regra de São Bento foi também adaptada para várias congregações de monges do ocidente.

Milagres de São Bento

No Monte Cassino, Itália, Bento começou a pregar o Evangelho para o povo. Com a pregação e os inúmeros milagres que fazia, inclusive vários exorcismos, o povo começou a se converter. Assim, o povo de Monte Cassino derrubou o templo de Apolo, que fora construído no cume do monte e com suas ruínas construíram dois conventos com as bênçãos de São João Batista e São Martinho. Esta foi a origem do grande mosteiro de Monte Cassino, criado em 529, com a bênção do Papa Felix lll. 

Devoção a São Bento

São Bento morreu no ano de 547, aos 67 anos. Predisse sua morte no mesmo ano da morte de sua irmã Santa Escolástica, fundadora do ramo feminino da ordem de São Bento. Mandou abrir sua própria sepultura e depois de falar aos monges, de pé com as mãos para o céu, morreu. Parte de suas relíquias estão no Mosteiro de Monte Cassino e outras na abadia de Fleury, na França. São Bento foi canonizado no ano de 1220 e sua festa é comemorada no dia 11 de julho.

Imagem de São Bento

Sua imagem é representada com o livro das regras; um sino, que representa a voz de Deus; um copo quebrado e a serpente representando o veneno; um corvo com um pedaço de pão no bico representando o tempo em que ele passou no deserto e uma vara representando a disciplina.

Medalha de São Bento e sua mensagem

A medalha de São Bento foi esculpida primeiramente nas colunas do mosteiro de Monte Cassino. Na frente da medalha lê-se: Ejus in ibitu nostro praesentia muniamur. Sejamos protegidos pela sua presença na hora da nossa morte.
No verso encontra-se as seguintes inscrições:
CSPB      - Crux Sancti Patris Benedicti     - (cruz do Santo Pai Bento)
CSSML   - Crux Sacra Sit Mihi Lux             - (a Cruz Sagrada Seja a minha Luz)
NDSMD - Non Draco Sit Mihi Dux            - (não seja o Dragão o meu guia)
VRS        - Vade Retro Satana                    - (para traz satanás)
NSMV   - Nunquam Suade Mihi Vana    - (Nunca Seduzas minha alma)
SMQL    - Sunt Mola Quae Libas               - (são coisas más que brindas)
IVB         - Ipse Venana Bibas                     - (Bebas do mesmo veneno)

Oração a São Bento

A Cruz sagrada seja a minha Luz. Não seja o dragão o meu guia. Retira-te satanás. Nunca me aconselhe coisas vãs. É do mal o que tu me oferece. Beba tu mesmo do teu veneno
Leia mais

A CASA CAIU: A PRESIDENTE DO SINDICATO DO JUDICÁRIO DA BAHIA VAI TER QUE VOLTAR A TRABALHAR

À FRENTE DO SINDICATO DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO DA BAHIA (SINPOJUD) À QUASE 21 ANOS, A OFICIAL DE JUSTIÇA E SERVIDORA DA COMARCA DE ILHÉUS RECEBEU DETERMINAÇÃO DA CORREGEDORIA PARA VOLTAR A TRABALHAR, EM FUNÇÃO DA DECISÃO DO PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA BAHIA, DESEMBARGADOR ESERVAL ROCHA


Corregedoria intima presidente do Sinpojud e cancela afastamento para atividade sindical

por Cláudia Cardozo
Corregedoria intima presidente do Sinpojud e cancela afastamento para atividade sindical
Candidata a deputada estadual, Zezé está no Sinpojud há 19 anos. Foto:Divulgação
A presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário da Bahia (Sinpojud), Maria José dos Santos, conhecida como Zezé, foi intimada pela Corregedoria Geral da Justiça da Bahia a se pronunciar sobre seu afastamento para as atividades sindicais por mais de nove anos. A presidente do sindicato atualmente está afastada da entidade para disputar as eleições e concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa da Bahia. O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargador Eserval Rocha, pediu informações a Corregedoria sobre a existência de “servidor afastado para exercício de mandato eletivo em entidade sindical, por tempo superior ao permitido pela Lei Estadual 6.677/94”. A irregularidade foi apontada em um relatório de correição do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).  A lei estadual determina que o servidor só possa ser disponibilizado para o exercício de mandato eletivo em entidade sindical ao período do mandato, podendo ser prorrogado em caso de reeleição, por no máximo dois mandatos. A determinação do CNJ é que o TJ-BA cancele a disponibilidade de servidores à disposição de sindicatos em período superior ao tempo previsto em lei, e comunique as providências adotadas para a Corregedoria Nacional de Justiça. O corregedor geral de Justiça, desembargador José Olegário Caldas, suspendeu a decisão tomada por ele anteriormente para que Maria José pudesse continuar no comando da entidade sindical. Com isso, a decisão do então corregedor das Comarcas do Interior, desembargador Antônio Pessoa Cardoso, agora aposentado, foi restaurada. Pessoa Cardoso havia indeferido o pedido de afastamento de Maria José para se dedicar as atividades do Sinpojud, por afrontar o artigo 40 da lei estadual. A Corregedoria ainda determinou que Zezé se apresente ao chefe de sua lotação originária, na comarca de Ilhéus, no sul da Bahia, sob pena de instauração de procedimento disciplinar. Militante da entidade, Maria José está desde o longínquo 1991, ano de criação do Sinpojud, no corpo da instituição, e desde janeiro de 2001 em cargo de diretora-presidente. A soma sem as interrupções de 1994, 1996, 1999 e 2000, em que não há registro de participação da servidora no corpo da entidade, chegam a 19 anos, o que extrapola em uma década o tempo destinado em lei, já que o mandato no Sinpojud tem duração de três anos, e duas reeleições (nove anos, ao todo) completariam o tempo determinado.
 
Leia mais

terça-feira, 2 de setembro de 2014

A PRECULSÃO NO PROCESSO JUDICIAL

EU TIVE A HONRA E A SATISFAÇÃO DE ASSISTIR ESSA AULA COM O MESTRE SALOMÃO VIANA, JUIZ FEDERAL E MÉDICO, PROFESSOR DA UFBa.


COMO DISTINGUIR AS PRECLUSÕES TEMPORAL, LÓGICA, CONSUMATIVA E PUNITIVA?

Meus queridos, o tema PRECLUSÃO, além de essencial para a prática jurídica, é sempre um forte candidato a ser objeto de questão em concurso. Há quatro tipos de preclusão (temporal, lógica, consumativa e punitiva) e saber distingui-los é importantíssimo, já que a preclusão é um dos alicerces da boa marcha processual, seja para preservar a duração razoável do processo, seja para proteger a segurança jurídica e a boa-fé.
Para facilitar, vamos imaginar, juntos, um procedimento comum ordinário em curso pela Comarca de Jurislândia, da qual é Juiz de Direito o magistrado Júlio Julgador. Alberto, o autor, está representado pelo advogado Carlos Causídico e Régis, o réu, tem os seus interesses defendidos pela advogada Amanda Demanda. O autor e o réu são pessoas capazes e o núcleo da controvérsia é a cobrança de um valor a título de indenização por danos morais.
Comecemos com a PRECLUSÃO TEMPORAL.
Vamos admitir um quadro em que Júlio Julgador profere uma decisão por meio da qual ordena a produção de prova testemunhal e indefere o requerimento, formulado por Régis, de produção de prova pericial. Se Amanda Demanda, advogada de Régis, não adotar providências para a interposição do recurso dentro do prazo legal, que é de 10 dias, Régis não poderá mais recorrer, em razão da preclusão temporal.
Assim, na preclusão temporal, a impossibilidade de certo sujeito praticar determinado ato decorre da circunstância de já haver sido esgotado o prazo para que o ato seja praticado. Ela se dá, pois, quando a parte deixa de exercitar um poder processual no prazo para tanto estipulado, ficando, por isto, impossibilitada de exercitá-lo. É fruto da inércia da parte.
Pensemos, agora, na PRECLUSÃO LÓGICA, tomando por base o mesmo caso, apenas invertendo a situação.
Imaginemos, então, que Júlio Julgador, contrariando interesses de Alberto, o autor – que entende que a prova pericial é inútil –, ordene que a perícia seja realizada e, para tanto, nomeie um perito. Carlos Causídico, o advogado do autor, pretende recorrer e o prazo para o recurso é de 10 dias. Sucede que, simultaneamente com a deflagração do prazo recursal de 10 dias, é deflagrado também o prazo de 5 dias para que ambas as partes indiquem os seus assistentes técnicos e apresentem quesitos (CPC, art. 421, § 1º). Percebam, agora, o detalhe: se Carlos Causídico apresentar, dentro do prazo de 5 dias, a peça por meio da qual indica o assistente técnico e formula os quesitos, sem deixar registrado que o autor está reservando o seu direito de recorrer, o recurso não mais poderá ser interposto, mesmo que ainda não tenha se encerrado o prazo de 10 dias. É que a falta da reserva implicou aceitação tácita da decisão (CPC, art. 503 e seu parágrafo único). Este é um típico caso de preclusão lógica.
Na preclusão lógica, portanto, a impossibilidade de certo sujeito praticar determinado ato decorre da circunstância de outro ato, incompatível com o ato que ele quer praticar, haver sido anteriormente levado a cabo por ele próprio. No exemplo dado, o ato de interposição do recurso não pode mais ser praticado pelo autor, apesar de ainda haver prazo para tanto, porque ele mesmo praticou um ato anterior, incompatível com a vontade de recorrer: a aceitação tácita da decisão.
É a vez da PRECLUSÃO CONSUMATIVA.
Imaginemos que Júlio Julgador profira a sentença, acolhendo o pedido formulado por Alberto. Amanda Demanda, advogada do réu, tem o prazo de 15 dias para interpor o recurso de apelação, mas resolve apresentar a petição recursal antes do fim do prazo, no décimo dia. Se depois, no décimo segundo dia, Amanda perceber que deixou de alegar algo na apelação, não poderá mais alegar, apesar de o prazo recursal ser de 15 dias, pois, com a apresentação, no décimo dia, da peça recursal, consumaram-se os efeitos do ato de interposição do recurso. É esta consumação dos efeitos que conduz à expressão preclusão consumativa.
Por conseguinte, na preclusão consumativa, a impossibilidade de certo sujeito praticar determinado ato decorre da circunstância de haver ele praticado um ato anterior que esgotou os efeitos do ato que ele quer praticar.
Finalmente, a PRECLUSÃO PUNITIVA, também chamada de PRECLUSÃO-SANÇÃO.
Ainda no processo em que litigam Alberto e Régis, o magistrado, Júlio Julgador, ao designar data para a realização da audiência de instrução e julgamento, defere o requerimento de Alberto para que Régis seja intimado para prestar depoimento pessoal, sob pena de confissão. Régis é regularmente intimado, comparece à audiência, mas se recusa a cumprir o dever de depor (CPC, art. 340, I). Diante da recusa, o juiz aplica a pena de confissão a respeito da matéria fática (CPC, art. 343, § 2º). Aplicada a pena de confissão, Régis estará impossibilitado de praticar atos tendentes a provar que os fatos aconteceram de maneira distinta. Esta impossibilidade é fruto da punição a ele aplicada. Este é um caso em que se diz que há preclusão punitiva ou preclusão-sanção.
Assim, na preclusão punitiva, a impossibilidade de certo sujeito praticar determinado ato decorre de uma sanção a ele aplicada. Percebam que enquanto as demais espécies de preclusão são decorrentes de situações em que não houve prática de ilicitude, na preclusão punitiva a ilicitude é a marca. É o meu querido amigo Fredie Didier Jr. que nos lembra da necessidade de identificar esse tipo específico de preclusão.
Espero, do fundo do coração, que estas informações lhes sejam úteis.
Recebam, todos, o meu abraço, com o desejo de um mês de setembro com muita luz.
Saló
Leia mais

sábado, 30 de agosto de 2014

O CASAMENTO DA EXTREMA DIREITA REACIONÁRIA

FORAM ANOS DE DITADURA, TERROR E TORTURA E A HISTÓRIA SE REPETIU !




No Brasil, sempre se falou, teria uma  democracia frágil, claudicante, composta por velhos coronéis que se acostumaram a comprar votos ou levar o gato eleitor para a cabine de votação ,no chicote. Getúlio Vargas experimentou o populismo e a  ditadura. Os Anos de chumbo, nas mãos dos generais, levou para cova vários jovens de 17 anos que sonhavam  com democracia. 
Dilma Rousseff tem sido um tormento para a extrema direita; neo nazistas e os fascistas ocultos que rondam constantemente o poder. Muito embora seja uma mulher pragmática e de realizações, não tem o perfil de alinhavar-se para curvar-se aos propósitos da corrupção e isso, certamente incomoda bastante.
A compleição física de Marina me faz acreditar que a mesma não suportaria as pressões do cargo que advém com a posse e, no caso do Brasil ,nada, absolutamente nada me faz desacreditar em conspirações com mortes e assassinatos como nos anos da ditadura.
Aécio e Marina na verdade são o reflexo convexo da mesma imagem (tem jogo !) agradam a burguesada com facilidade  ; discurso cuja retórica afina em tom e prosa com o que a burguesada deseja avidamente ouvir, buscando acreditar que um país melhor se fará com a troca das peças, onde a história comprova que são pessoas que buscaram abrigar-se sempre da chuva ou do sol negociando em conchavos e em dólares ;onde hoje de divide a "velha forma de fazer política"  versus a  "nova forma de fazer política". Como se a política de fato se resume a tão simplesmente isso. O Brasil tem a 3a. maior população carcerária do mundo; com quase 700 mil presos; como se prisão resolvesse problema oriundo da pobreza, pobreza esta que está no berço da corrupção; enquanto isso quem tem dinheiro e os psicopatas estão soltos. ora, pois que se prenda os corruptos e tirem deles tudo que robou do povo..carrões, jatinhos, dinheiro e etc. Emissoras de televisão sonegaram mais de 600 milhões de reais e fica por isso mesmo. Vendo o caldo engrossas, essa extrema direita facista, que não gosta de ver negros na faculdade, pobres se formando em medicina; estão revoltados.

Marina e Aécio representam, ao meu ver as duas faces da mesma moeda, cujo casamento sem sombras de dúvidas será possível de acontecer. A verdade é que o presidencialismo brasileiro, deixa o presidente refém de um congresso corrupto, ajustado à mensalões e acostumados e negociações de cargos para aprovar projetos ou possibilitar a gestão do executivo. E temos exemplos de pessoas candidatas que atualmente cospem no prato que comeram, como se jamais soubessem de ABSOLUTAMENTE NADA e que deixaram o barco de última hora, porque chuparam o que podiam chupar até o último instante. São os "'estadistas" que dizem amar a Brasil; mas que não perdem a oportunidade de se darem bem e permanecerem na política enquanto puderem se dar bem.

Criaram, no atual presidencialismo o tal  "principio da governabilidade" onde para se governar trocam cargos e abrem mão de seus mandados legislativos para serem Ministros ou Presidentes de grandes estatais.

Não tenho dúvidas que nessa "guerra" democrática interesses escusos levarão diversos políticos de patidos diferentes a uma "coligação" supra partidária para tentarem derrotar um trabalho social que não agrada aos ricos e burgueses;mas que contudo foram os que mais  "mamaram" nas tetas do poder para sustentar o tal princípio da governabildade.

Neste diapasão, vejo claramente que Aécio e Marina aviarão um casamento, com o intuito de impactar a "governabilidade" de Dilma Rousseff ;pois adiante, com certeza,  LULA retornará mais uma vez como o "salvador da pátria" agradando a gregos e troianos; aliás essa é verdadeiramente uma das maiores capacidades do Senhor Doutor honoris Causa Lula; sagacidade para que adversários venham comer nas suas mãos... Talvez escolarizado pelo velho ACM.
Leia mais

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

PRESIDENTE DO SINDICATO DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO TEM MAIS PODER QUE DESEMBARGADOR

COM DETERMINAÇÃO DE QUE VOLTASSE A TRABALHAR, ORDENADA PELO DESEMBARGADOR CORREGEDOR DA ÉPOCA, PRESIDENTE DO SINPOJUD- SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO GANHA SEM TRABALHAR PARA O JUDICIÁRIO A QUASE 20 ANOS


Sindicalista em atividade desde 1991 é apontada como irregular na Justiça baiana

por Francis Juliano
Sindicalista em atividade desde 1991 é apontada como irregular na Justiça baiana
Maria José está desde 91 como integrante do Sinpojud Foto: Sinpojud | Reprodução
Uma das dez inconsistências apontadas na conclusão do último relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) diz respeito à dispensa de servidor (e não servidores) para "exercício de mandato eletivo" além do permitido por lei. Segundo documento obtido pelo Bahia Notícias, o fato recai na oficial de Justiça e membro licenciada do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário da Bahia (Sinpojud), Maria José da Silva. Militante da entidade, Maria José está desde o longínquo 1991, ano de criação do Simpojud, no corpo da instituição, e desde janeiro de 2001 em cargo de diretora-presidente. A soma sem as interrupções de 1994, 1996, 1999 e 2000, em que não há registro de participação da servidora no corpo da entidade, chegam a 19 anos, o que extrapola em uma década o tempo destinado em lei, já que o mandato no Sinpojud tem duração de três anos, e duas reeleições (nove anos, ao todo) completariam o tempo determinado. De acordo com o artigo 40 do estatuto dos servidores do Estado (Lei 6.677/94), funcionários do Judiciário baiano só podem se afastar para atividades classistas em igual período do mandato, com possibilidade limite de duas reeleições. Ainda segundo o documento, após o corregedor do TJ-BA, Antonio Pessoa Cardoso, e o Conselho de Magistratura, ter negado de "forma unânime" o direito de licença à Maria José, e depois do trânsito em julgado (quando não cabe recurso), o corregedor-geral José Olegário Monção Caldas anulou a decisão e possibilitou à recondução de Maria José ao sindicato.
 

O diretor do Sinpojud, Jorge Cardoso Dias, admitiu que há excesso de servidores dispensados no sindicato e que o assunto será resolvido. Foto: Jamile Amine | BN

Procurada pelo Bahia Notícias, desde a sexta-feira (8), a então candidata a deputada estadual preferiu ser representada pelo diretor de mobilização do sindicato, Jorge Cardoso Dias. Na defesa, o dirigente disse que o erro é do estatuto que vai de encontro à Constituição. "Esse artigo fere, intervindo e impondo a quantidade de mandatos [...] O poder não tem autonomia mediante a Constituição Federal para intervir na organização de qualquer sindicato", argumentou em entrevista ao BN. De acordo com Cardoso, a entidade também tentará "suprimir" o artigo via "Assembleia Legislativa" ou Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin). Sobre o excesso de servidores dispensados [no Simpojud há nove dos seis integrantes possíveis], outro item do relatório, o dirigente admitiu o problema e afirmou que a entidade resolverá o imbróglio, mas não informou quando. "Isso é verídico, é fato. Nós vamos cumprir da forma que está sendo cobrado. Não vamos reduzir a quantidade de diretores, mas vamos adequar”, justificou ao especular a possibilidade de colocar servidores aposentados na gestão. Questionado sobre se a condição de Maria José configuraria "sindicalismo profissional", o dirigente respondeu: "Se nós formos olhar por este ângulo, vários políticos são profissionais. Se a categoria vota nela, é porque acredita," declarou. Caso o Tribunal de Justiça-BA reconduza à servidora à Comarca de Ilhéus, onde é lotada, Cardoso diz que vai esperar para tomar as providências. "Vamos aguardar a decisão do TJ porque ninguém morre de véspera, não é?”, avaliou. Em última instância, o dirigente afirmou que a oficial de justiça e presidente do Simpojud “pode tentar a aposentadoria". Neste ano, ela concorre a uma vaga de deputada estadual pelo PCdoB. A presidência de Maria José no Simpojud vai até 2015, quando ela completará 24 anos de entidade.



Leia mais

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

PSDB: CHEGOU A HORA DA PORCA TORCER O RABO

O candidato José Serra foi intimado pela Polícia Federal para depor no escândalo dos cartéis do metrô paulista, onde o "trenzinho da alegrinha" fazia a festa financeira de muita gente de "bens"; com propinas de milhões derramadas nas empresas sangrando os cofres públicos.

José Serra é intimado pela Policia Federal para depor sobre cartel de trens do metrô paulista.


Candidato ao ×Senado pelo PSDB, o ex-governador de São Paulo José Serra foi intimado pela Polícia Federal a prestar depoimento sobre o contato mantido com empresas envolvidas com o cartel de trens do metrô paulista que ocorreu entre 1998 e 2008.

Segundo informações da ×Folha de S. Paulo, a PF quer saber se ×Serra atuou em favorecimento das multinacionais CAF e Alstom em uma concorrência com a Siemens, que também participava do esquema.

A suspeita surgiu após depoimentos e a verificação de emails de um executivo. Outras 44 pessoas serão ouvidas pela PF, para apuração de indícios de fraudes em certames realizados em sucessivos governos tucanos.

Três das sete concorrências investigadas ocorreram durante a gestão de ×Serra no governo estadual.

Além do ex-governador, serão ouvidos o ex-secretário dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, o atual presidente da ×Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Mário Bandeira, e o ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda.

Fonte: BN.
Leia mais

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

DILMA ROUSSEF ENFRENTA BONNER NA REDE GLOBO E MOSTRA SEGURANÇA NA ENTREVISTA CONCEDIDA



PRATICAMENTE SABATINADA A PRESIDENTE DILMA ROUSSEF ENFRENTA O JORNALISTA DA GLOBO WILLIAN BONNER E SAGRA-SE VITORIOSA



Não existem dúvidas que mesmo colocada contra a parede, numa tentativa de encurralamento a Presidente Dilma, mostrou-se segura e falou sobre corrupção  e os mensaleiros que foram presos, afirmando que respeitava a decisão da Suprema Corte e reconheceu que a saúde tem muito a ser feita e que será enfrentado paulatinamente. Uma década de governo é irrisório para séculos de espoliação da saúde, com carências de médicos e uma política séria que atendesse equitativamente a demanda que sempre esteve aumentando, inclusive com falta de médicos formados no Brasil. A Presidente sem sombras de dúvidas foi destemida e não se acovardou com as perguntas praticamente inquisitorial feita "contra" a mesma.

vejam o trecho da entrevista da Globo:

video

Leia mais