GRÁTIS LIVRO MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM

Total de visualizações de página

CIDADE ALERTA

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quinta-feira, 24 de julho de 2014

STF CONCEDE LIMINAR AO DESEMBARGADOR MARIO HIRS, EX PRESIDENTE DO TJ BAHIA

SUPREMO DIZ QUE EXCESSO DE PRAZO  DE CONCLUSÃO DO PROCESSO NO CNJ IMPLICA EM RETORNO DO DESEMBARGADOR AFASTADO E EX PRESIDENTE DO TJ BAHIA

Quarta-feira, 23 de julho de 2014
Supremo suspende ato do CNJ por exceder prazo para conclusão de processo
O ministro Ricardo Lewandowski, no exercício da Presidência do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar ao desembargador Mário Hirs para que possa retornar ao exercício da magistratura perante o Tribunal de Justiça da Bahia. O desembargador havia sido afastado por decisão do Conselho Nacional de Justiça em processo administrativo disciplinar que já dura mais de oito meses, sendo que o prazo de duração estipulado pelo próprio CNJ para processos disciplinares é de 140 dias.

Ao conceder a liminar, o ministro Lewandowski considerou que o afastamento provisório do desembargador da Presidência do TJ baiano acabou se tornando um afastamento definitivo, tendo em vista o término do período no qual exerceria seu mandato. Desta forma, a decisão serve “apenas para suspender o seu afastamento cautelar das funções judicantes, até o julgamento final deste mandato de segurança, sem prejuízo do regular prosseguimento do PAD no âmbito do CNJ”. A decisão foi tomada na análise do MS 33080, que, após o término do recesso, será encaminhado ao ministro Roberto Barroso.
Fundamentos
Ao analisar o pedido do desembargador, o presidente do STF em exercício destacou primeiramente que o CNJ havia decido afastá-lo de suas funções, uma vez que, no cargo de presidente do TJ/BA, poderia prejudicar a imagem do Poder Judiciário local e persistir nas condutas alegadamente irregulares a ele atribuídas.
Neste ponto, o ministro Lewandowski considerou que “o TJ/BA já possui um novo corpo diretivo, eleito e empossado. Assim, mesmo que se autorize o impetrante a reassumir as suas funções, ele não retornará à Presidência do Tribunal, limitando-se a exercer as atividades judicantes próprias ao cargo de desembargador”.
Ressaltou ainda que, mesmo que tal fundamento fosse válido à época, o desembargador “não terá mais condições de influir no curso das delongadas investigações desenvolvidas pelo CNJ nos órgãos vinculados à Presidência daquela Corte, as quais, a esta altura dos acontecimentos – é lícito supor – certamente já se encontram concluídas, com a coleta de farto material probatório, eis que passados mais de oito meses do afastamento cautelar”.
Prazo excedido
O presidente do STF em exercício salientou ainda que o “PAD em comento não foi concluído no prazo regulamentar de 140 dias fixado pelo art. 14, parágrafo 9º, da Resolução-CNJ 135/2011, persistindo em aberto até o presente momento, sem que o Relator, a meu juízo, tenha apontado um fato concreto sequer que possa justificar o afastamento do impetrante da jurisdição, especialmente eventual ação no sentido de obstruir a instrução processual”.
“A Constituição assegura a todos, no âmbito judicial e administrativo, a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação (art. 5º, LXXVII). Nos termos da Resolução 135/2011 do próprio CNJ, o prazo máximo para conclusão do procedimento disciplinar, qual seja, de 140 dias, esgotou em 25/3/2014. E há mais: somente um mês depois, isto é, em 22/4/2014, é que o Relator decidiu prorrogar o prazo do PAD, ad referendum do Plenário, remetendo-o, paradoxalmente, à mesa, no mesmo dia, para deliberação colegiada, sem prévia publicação na pauta, sob a alegação de urgência”, destacou Lewandowski.
Chefe do Executivo Municipal
O CNJ sustentou ainda que o desembargador deveria permanecer afastado de suas funções jurisdicionais até que as testemunhas de defesa – governador do Estado e o prefeito da capital – fossem ouvidas no processo.
Ocorre que o prefeito de Salvador (BA), Antônio Carlos Magalhães Neto, já se manifestou, por escrito, “em termos, aliás, bastante favoráveis ao impetrante”, destacou o ministro Ricardo Lewandowski. Segundo o prefeito da capital baiana, “demonstrando elevado espírito público, num juízo de ponderação, equilíbrio e prudência, o Ínclito Desembargador determinou a revisão da metodologia de cálculo desses precatórios, incorrendo numa redução de aproximadamente 40% do estoque da dívida, e consequentemente do valor das parcelas, o que permitiu o adimplemento das nossas obrigações pretéritas e vincendas com a Justiça Baiana".
"Ademais, destaco que dentre os processos administrativos nos quais figuram como objeto Precatórios do Município de Salvador não houve qualquer decisão ou atitude do Des. Mário Alberto Simões Hirs, que gerasse prejuízo financeiro ao Município, durante esta gestão, inclusive em pelo menos um destes processos, as decisões do Desembargador foram mantidas pelo Superior Tribunal de Justiça, sob a relatoria da então Ministra Eliana Calmon."
"Por fim, não tenho conhecimento de qualquer fato que desabone a conduta e a competência do Des. Mário Alberto Simões Hirs, sendo reconhecidamente uma pessoa de vida simples, de conduta íntegra e ilibada, que goza de alto conceito perante minha pessoa, no meio Jurídico Baiano e a sociedade em geral.” (ACM Neto, prefeito de Salvador)
Punição antecipada
Para o ministro, a destituição provisória do desembargador da Presidência do TJ local tornou-se definitiva e a manutenção do afastamento do magistrado de suas funções “implicaria o agravamento do caráter inegavelmente punitivo da medida cautelar anterior, agora irreversível (em relação ao término de seu mandato na Presidência), antes da decisão final do PAD, com evidente inversão do princípio constitucional da presunção de inocência, especialmente por tratar-se de magistrado que, segundo consta, jamais respondeu a qualquer processo disciplinar”.
“Destaco que não se está, por meio desta decisão, a vedar a prorrogação de afastamento cautelar de magistrado em processos administrativos disciplinares, mas tão somente a reconhecer que não se mantêm, a esta altura, os motivos que levaram o CNJ a optar por essa medida excepcional”, finalizou o presidente em exercício do STF.

fonte: STF
Leia mais

terça-feira, 22 de julho de 2014

BRASIL: DEMOCRACIA OU ANARQUIA? ESTADOS UNIDOS : DITADURA OU DEMOCRACIA?

SE O VOTO É A ARMA DO POVO CONTRA O POLÍTICO,O QUE SÃO OS BLACK-BLOCKs ??   



Ora, se os Estados Unidos da América é o berço da democracia e naquele país não se verifica manifestações que não sejam pacíficas (de toda ordem), seria então a democracia americana uma ditadura disfarçada de democracia que coage o cidadão a reprimir-se em suas manifestações realizando-as sempre de forma contida; ou seria a democracia brasileira uma verdadeira anarquia que possibilita que livremente todos se manifestem inclusive com depredação de patrimônio e invasão de propriedades?
Há de se pensar que o único método infalível de denunciar o desgosto com algum político ou regime de gestão pública é justamente o VOTO, ; a ida maciça às urnas para votar no candidato que não se pretende mais seja preterido.
Os formadores de opinião, intelectuais, estudantes, jornalistas, professores e etc é que tem principalmente o dever de desmistificar o conceito de que o eleitor não sabe votar ou vota com a barriga. Os formadores de opinião estão justamente em todos os cantos e recônditos desse país e com bolsa esmola ou não, são capazes de mudar e formar opinião.
Agora a questão é que em um Estado Democrático de Direito, não se pode admitir uma justiça aparelhada , atrelada sempre aos interesses de nefastos políticos que corroem o erário da nação, comprando o silêncio de juízes que deveriam ter a obrigação de mandar para cadeia corruptos de toda a especie e de qualquer fisiologia político-partidária ; ao contrário, se agacham para estender a mão e receber a propina. O Estado Juiz, não pode ser confundido ou misturado com o Estado político-partidário.
Em um país como os Estados Unidos se as manifestações forem atentatórias contra a liberdade dos demais ou investir contra o patrimônio do Estado, a interpretação será sempre pela rés pública, e no mínimo o cidadão pode ser processado por  CONSPIRAÇÃO contra o governo. Manifestar-se, publicar, fotografar, fazer passeatas, protestar não necessariamente significa depredar bancos, invadir lojas e saqueá-las e tocar fogo em vias públicas destruindo o bem público; isso não é liderança e jamais será.

A liberdade da manifestação e do pensamento (inclusive e principalmente) da imprensa não pode e jamais se consentirá que seja tolhida. O que pensamos e como pensamos é meta filosofia vai além dos muros da retenção do Estado. Tolher a liberdade porque nos expressamos ou afirmamos o que sentimos é ditadura; consentir que hordas de marginais burgueses se auto denominem presos políticos quando tocam fogo e terror na cidade é anarquia... Será que isso que ensinam hoje nas universidades pagas com o dinheiro do FIES? Porque conta-se a dedo, as que sobrevivem sem a participação de alguma forma do capital governamental para manter alunos estudando em acadêmias que cada vez mais admite-se o ingresso de gente despreparada, traficantes, grupos violentos e que de estudantes de graduação muito mal têm a capacidade para tanto.
Quem viaja e tem visão amplamente diferenciada pode constatar que democracia não tolhe, liberta (Holanda) democracia não incendeia ,manifesta-se (Brasil). Então das duas uma; ou o Brasil é uma anarquia (quase que democrática) ou o Estados Unidos da América é uma ditadura (quase que democrática ).

Contudo, nunca devemos esquecer que DITADURA alguma, seja ela de esquerda ou de direita deve prevalecer sobre a democracia e sobre as pessoas livres. A escravidão pelo sistema de governo não deve ser objeto de pensamento filosófico ou implantação ideológica .Se pensamos em um Estado Democrático de Direito, o que menos se pode permitir é a ditadura. Cruel em qualquer circunstancias. Que o diga Cuba, China e Coreia. Combate-se o mal e não somente os sintomas; que o façam enquanto ainda é tempo !  
Leia mais

segunda-feira, 21 de julho de 2014

ALGO ESTÁ ERRADO NO JULGAMENTO DO TCM COM RELAÇÃO AO VEREADOR REGIVALDO CORIOLANO EM PAULO AFONSO

ESTRANHANDO A DECISÃO CONTRA O VEREADOR REGIVALDO CORIOLANO JORNALISTA PEDE AVERIGUAÇÕES AO TCM E AO CNJ



Decisão do TCM que condenou o vereador Regivaldo Coriolano, de Paulo Afonso, na Bahia, causa estranheza ao jornalista Cecílio Almeida ,porque o processo fora requerido contra o Senhor Marcondes Francisco e encontra-se paralisado sem resultado algum, uma vez que a competência da gestão 2013/2014 seria do mesmo. Vejam a diferença  e compare com o resultado da condenação. Observem que contra a Senhora Bárbara Almeida (esposa do magistrado local em Paulo Afonso) ainda não se teve notícias da decisão do TCM sobre a conduta possivelmente tipificada como improbidade
Administrativa da mesma e muito menos o Ministério Público que é fiscal da lei, no presente caso, funcionando dentro do próprio TCM, não agiu de ofício. Quem teria interesse em prejudicar o vereador Regivaldo Coriolano? E quem teria interesse em proteger o atual Presidente e a Sra. Bárbara Almeida? (mistério que somente o CNJ e o Conselho Nacional do Ministério Público poderão esclarecer)


PROCESSO /REPRESENTAÇÃO CONTRA SENHOR MARCONDES:

                      Clikc na foto para amplia-la



COMPAREM COM A DECISÃO DO TCM:







Leia mais

domingo, 20 de julho de 2014

E OS RATOS HEIM????

Postado no Facebook

Vale a pena ler!!!! Qualquer semelhança.....
O sonho dos ratos. Isca Intelectual de Rubem Alves, muito atual e conveniente.
Era uma vez um bando de ratos que vivia no buraco do assoalho de uma casa velha. Havia ratos de todos os tipos: grandes e pequenos, pretos e brancos, velhos e jovens, fortes e fracos, da roça e da cidade.
Mas ninguém ligava para as diferenças, porque todos estavam irmanados em torno de um sonho comum: um queijo enorme, amarelo, cheiroso, bem pertinho dos seus narizes.
Comer o queijo seria a suprema felicidade...
Bem pertinho é modo de dizer. Na verdade, o queijo estava imensamente longe, porque entre ele e os ratos estava um gato ... O gato era malvado, tinha dentes afiados e não dormia nunca. Por vezes fingia dormir. Mas bastava que um ratinho mais corajoso se aventurasse para fora do buraco para que o gato desse um pulo e, era uma vez um ratinho...
Os ratos odiavam o gato.
Quanto mais o odiavam mais irmãos se sentiam.
O ódio a um inimigo comum os tornava cúmplices de um mesmo desejo: queriam que o gato morresse ou sonhavam com um cachorro...
Como nada pudessem fazer, reuniram-se para conversar. Faziam discursos, denunciavam o comportamento do gato (não se sabe bem para quem), e chegaram mesmo a escrever livros com a crítica filosófica dos gatos. Diziam que um dia chegaria em que os gatos seriam abolidos e todos seriam iguais. "Quando se estabelecer a ditadura dos ratos", diziam os camundongos, "então todos serão felizes"...
- O queijo é grande o bastante para todos, dizia um.
- Socializaremos o queijo, dizia outro.
Todos batiam palmas e cantavam as mesmas canções.
Era comovente ver tanta fraternidade.
Como seria bonito quando o gato morresse!
Sonhavam. Nos seus sonhos comiam o queijo. E quanto mais o comiam, mais ele crescia.Porque esta é uma das propriedades dos queijos sonhados: não diminuem: crescem sempre.
E marchavam juntos, rabos entrelaçados, gritando:
" o queijo, já!"...
Sem que ninguém pudesse explicar como, o fato é que, ao acordarem, numa bela manhã, o gato tinha sumido.
O queijo continuava lá, mais belo do que nunca. Bastaria dar uns poucos passos para fora do buraco.
Olharam cuidadosamente ao redor. Aquilo poderia ser um truque do gato. Mas não era. O gato havia desaparecido mesmo. Chegara o dia glorioso, e dos ratos surgiu um brado retumbante de alegria. Todos se lançaram ao queijo, irmanados numa fome comum.
E foi então que a transformação aconteceu.
Bastou a primeira mordida.
Compreenderam , repentinamente, que os queijos de verdade são diferentes dos queijos sonhados. Quando comidos, em vez de crescer, diminuem.
Assim, quanto maior o número dos ratos a comer o queijo, menor o naco para cada um. Os ratos começaram a olhar uns para os outros como se fossem inimigos. Olharam, cada um para a boca dos outros, para ver quanto do queijo haviam comido. E os olhares se enfureceram. Arreganharam os dentes.
Esqueceram- se do gato.
Eram seus próprios inimigos.
A briga começou.
Os mais fortes expulsaram os mais fracos a dentadas.
E, ato contínuo, começaram a brigar entre si.
Alguns ameaçaram a chamar o gato, alegando que só assim se restabeleceria a ordem.
O projeto de socialização do queijo foi aprovado nos seguintes termos:
"Qualquer pedaço de queijo poderá ser tomado dos seus proprietários para ser dado aos ratos magros, desde que este pedaço tenha sido abandonado pelo dono".
Mas como rato algum jamais abandonou um queijo, os ratos magros foram condenados a ficar esperando...
Os ratinhos magros, de dentro do buraco escuro, não podiam compreender o que havia acontecido . O mais inexplicável era a transformação que se operara no focinho dos ratos fortes, agora donos do queijo. Tinham todo o jeito do gato, o olhar malvado, os dentes à mostra.
Os ratos magros nem mais conseguiam perceber a diferença entre o gato de antes e os ratos de agora. E compreenderam, então, que não havia diferença alguma. Pois todo rato que fica dono do queijo vira gato. Não é por acidente que os nomes são tão parecidos.
Leia mais

quarta-feira, 16 de julho de 2014

QUEM PROTEGE O PREFEITO DE PAULO AFONSO, NA BAHIA?

Prefeito de João Dourado-BA é denunciado ao Ministério Público e multado pelo TCM por contratar sem licitação através de empresa atrações musicais, Em Paulo Afonso, Ministério Público pediu afastamento do Prefeito por utilizar indevidamente dinheiro público com contratação de artistas sem licitação.

TCM denuncia Prefeito de João Dourado ao MP que pediu afastamento do gestor de Paulo Afonso.

Rui Dourado Araújo, prefeito de João Dourado, foi multado pelos conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quarta-feira (10/07), em função da contratação irregular de atrações musicais, visando os festejos da VIII Festa da Cebola, do ano de 2012.

O conselheiro relator, José Alfredo Dias, solicitou a formulação de representação ao Ministério Público contra o gestor, determinou a devolução com recursos próprios aos cofres municipais da quantia de R$ 67.500,00 e aplicou multa de R$ 5 mil. A relatoria pediu ainda o cancelamento do empenho e anulação do processo. Cabe recurso da decisão.

O gestor contratou a Empresa Galvão e Dourado LTDA. sem licitação, e pagou antecipadamente R$ 67.500,00, e no intervalo de quatro dias, assinou também o decreto de emergência por causa da seca, cancelando, por consequência, a festa da cebola no município.

Acontece que, mesmo sem o festejo, o prefeito não solicitou a devolução do dinheiro à Galvão e Dourado LTDA, estabelecendo que o mesmo ficasse como crédito para eventos futuros. Ou seja, o prefeito fez uma espécie de empréstimo à empresa sem prazo para pagamento, o que além de ferir o bom senso, agride o art. 62 da Lei n.º 4.320/64.

O conselheiro lembrou que, através da Ordem de Serviço de n.º 014/12, atualizada pela de n.º 04/13, o TCM já advertira os administradores municipais, acerca da necessidade de moderação nos gastos com festividades em municípios afetados pela seca, inclusive, sob pena de responsabilização do gestores.

Caso Parecido em Paulo Afonso

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia recebeu denúncia do Ministério Público estadual contra o prefeito de Paulo Afonso, Anilton Bastos Pereira.

Ele é acusado de utilizar indevidamente R$ 723.250,00 dos cofres públicos para pagar empresários do setor artístico que intermediaram a contratação de atrações musicais para eventos festivos realizados na cidade no período de 2009 a 2011, entre eles festas juninas e Réveillon.

A ação penal pública foi ajuizada no último dia 26 de março de 2013 pelo Núcleo de Investigação de Crimes Atribuídos a Prefeitos (CAP). O MP pede o afastamento de Anilton por crime de responsabilidade. O recebimento pelo TJ significa que foi aberto o processo judicial contra o gestor.

Na denúncia, o MP aponta que as contratações foram realizadas sem a realização de qualquer procedimento licitatório e os empresários representaram apenas ocasionalmente as bandas, quando a lei exige que as contratações artísticas devam ser feitas diretamente com o artista ou com seu agente exclusivo.

Além disso, não teria sido comprovada a consagração de público e de crítica especializada que justificasse a ausência de licitação, conforme prevê a Lei 8.666/93.

Redação com informações do TCM e MP-BA.
Leia mais

quarta-feira, 2 de julho de 2014

BENITO GAMA; PRESIDENTE NACIONAL DO PTB FOI ENVOLVIDO NO ESCÂNDALO DA PASTA ROSA (PROPINA ELEITORAL)


PAULO AFONSO NA BAHIA ESTÁ EM BOAS MÃOS COM CANDIDATOS FACTOIDES QUE PRETENDEM A TODO CUSTO GANHAR ELEIÇÕES LUDIBRIANDO O POVO
O PRESIDENTE NACIONAL DO PTB TEM UMA HISTÓRIA "ENCANTADA" QUANDO FOI DENUNCIADO NUM ESCÂNDALO DE PROPINA ELEITORAL DENOMINADO "ESCÂNDALO DA PASTA ROSA "
VALE A PENA RELEMBRAR A ESTÓRIA
OBSERVAÇÃO: ANGÊLO CALMON DE SÁ FOI CONDENADO A 4 ANOS DE PRISÃO MAS NUNCA CUMPRIR A SENTENÇA




A intitulada "Pasta Rosa" era na verdade em uma série de documentos que mostrava uma contribuição de 2,4 milhões de dólares do Banco Econômico, de Ângelo Calmon de Sá (à esq.), para a campanha de 25 candidatos nas eleições de 1990 e de 24 candidatos subsiados pela Febraban, prática probida na época. A documentação do dossiê indicava a existência de um sistema organizado de financiamento eleitoral ilegal, com base na prática de caixa 2. No total, 49 políticos foram acusados. O principal político era Antônio Carlos Magalhães, o ACM, que na ocasião elegeu-se governador da Bahia pelo PFL e teria recebido, sozinho, US$ 1,114 milhão do Banco Econômico. Nunca se descobriu o autor do dossiê. 

Faziam parte da lista outros nomes como o do senador José Sarney, deputados federais Renan Calheiros, de Alagoas, Ricardo Fiúza, de Pernambuco e Benito Gama, da Bahia. Os nomes de outros candidatos a governador também figuravam na lista, como Joaquim Francisco, por Pernambuco e José Agripino Maia, pelo Rio Grande do Norte.
Nunca se descobriu o autor do documento que foi encontrado em saleta ao lado do banheiro do gabinete do banqueiro Calmon de Sá por Flávio Barbosa, o interventor nomeado pelo BC.O ex-banqueiro Ângelo Calmon de Sá foi indiciado pela Polícia Federal por crime contra a ordem tributária e o sistema financeiro, com base na Lei do Colarinho-Branco.

Nenhum político foi punido por causa do escândalo. Cinco anos depois da falência do Banco Econômico, em agosto de 1999, Calmon de Sá livrou a barra de ACM e negou ter dado a milionária contribuição eleitoral ilegal para o político baiano, afirmando ter doado verbas apenas para as campanhas de "quatro ex-funcionários do banco".


http://www.muco.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=215:escandalo-da-pasta-rosa&catid=34:sala-de-escandalos&Itemid=53

Leia mais

CNJ DEVERÁ INVESTIGAR DENUNCIAS DE ANTIGAS PRESIDENTES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA BAHIA

O FATO DEU-SE NO DIA 18 DE MAIO DE 2011, CONTUDO O CNJ DEVERÁ ADOTAR PROVIDÊNCIAS RIGOROSAS PARA QUE SE INVESTIGUE A FUNDO QUAIS DENUNCIAS E DOCUMENTOS GUARDADOS EM "DOSSIÊS" DEVERÃO OBJETO DE PROFUNDA E ESMIUÇADA VERIFICAÇÃO



O CNJ já tomou conhecimento de tais diálogos havidos entre as antigas presidentes do Tribunal de Justiça da Bahia (Telma Brito e Silvia Zarif); agora com uma gestão moralizadora por parte do novo Presidente do TJ Bahia,Desembargador Eserval Rocha, é de se acreditar que realmente, após as auditorias formuladas, as apurações contra gestores e autoridades do Tribunal sejam levada à cabo, pois no bate boca entre ambas as Desembargadoras, as mesmas se acusam mutuamente sobre o conhecimento de "condutas" que por questão de "ética" não  se permitiriam vir a baila. Agora, o CNJ pretende apurar afundo as informações que vão chegando gradativamente ao órgão corregedor nacional. O que todos os servidores e a sociedade anseiam, é que o atual Presidente (sério que é) consiga efetivamente tirar o Tribunal de justiça da Bahia desse poço sem fundo que enfiaram-no.



BA: Desembargadoras batem boca e se acusam de "desmandos"

Flávio Costa 
Especial para Terra Magazine


Um bate-boca entre a presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Telma Britto, e sua antecessora no cargo, a desembargadora Silvia Zarif, revela que a crise da corte mais antiga das Américas está longe de chegar ao fim. Adversárias políticas, as duas discutiram em sessão plenária realizada no último dia 18 de maio. Faltou comedimento e sobraram acusações mútuas. Terra Magazine teve acesso ao áudio da sessão. 
Mas, antes, um pouco de história. O TJ-BA esmerou-se em protagonizar vexames nos últimos anos. Órgão de controle externo do Judiciário, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) proibiu que os desembargadores baianos promovessem festas regadas a bebidas alcoólicas nos gabinetes (2007); cancelou a compra de tapetes persas para a sede da corte (2008); e afastou de suas funções o desembargador Rubem Dário Peregrino Cunha (2009), suspeito de ter suas sentenças negociadas pelo filho. Meses antes, durante a Operação Janus, o Ministério Público baiano desvendou um outro esquema de negociatas de decisões judiciais.
Em dezembro de 2009 foi realizada eleição da mesa diretora do TJ-BA. A então presidente Silvia Zarif apoiou incondicionalmente a colega Lícia Laranjeira para sucedê-la e, assim, barrar as pretensões de Telma Britto, à época corregedora-geral. Silvia agia a contragosto do desembargador Carlos Alberto Dultra Cintra. Amigo do governador Jaques Wagner (PT), Cintra tornou-se o homem mais influente da Justiça baiana desde que liderou, em 2002, uma revolta contra o controle exercido pelo ex-senador Antonio Carlos Magalhães (1927-2007) sobre o TJ-BA. 
Os esforços de Silvia Zarif foram em vão, pois Telma Britto justificou seu favoritismo e foi eleita presidente. De adversárias, as duas passaram a inimigas acaloradas. E intensificou-se uma disputa subterrânea nos bastidores do TJ-BA, um dos piores do Brasil em termos de andamento processual. A título de exemplo, vale lembrar o escândalo (mais um!) dos supersalários dos servidores. Silvia afirmou ao CNJ, em resposta oficial, que não havia critérios objetivos para a concessão das gratificações que geravam salários de até R$ 52 mil a membros de diretorias administrativas do TJ-BA; ao assumir a presidência, Telma afirmou justamente o contrário.


"Governo paralelo no TJ"

Voltemos ao dia 18, uma tarde de quarta-feira. A sessão plenária versa sobre assuntos administrativos. O último tema a ser tratado é a divisão judiciária da Bahia. Silvia pede a palavra e bate de primeira ao argüir que a proposta de reforma apresentada por Telma não havia sido enviada à Comissão de Reforma, por ela presidida, o que denotaria uma perseguição perpetrada pela presidente. 

Ao retomar o microfone, Telma acusa Silvia de tentar promover "um governo paralelo" na Comissão de Reforma. E arremata, com rispidez: 

- Eu nunca vim aqui para dizer o que encontrei da gestão de vossa excelência. Nunca vim. E posso vir e vossa excelência sabe disso. Então fique vossa excelência no seu limite que eu fico no meu.


Faíscas de Telma atingiram a imprensa local: 

- ...Se eu não mandei à Comissão foi porque a Comissão não tomou iniciativa. E a ela competia tomar iniciativa. Vossa Excelência não fez isso. Quanto à desativação (de comarcas), Vossa Excelência preferiu plantar notícia na Muito (revista dominical do jornal A Tarde). 


No final de sua catilinária, a presidente desfiou suas qualidades: 


- Não sou imbecil, não sou idiota, não sou massa de manobra, vossa excelência não fará de mim o que quer. Fique no seu lugar que eu fico no meu. Prosseguindo... 


Mas Silvia não a deixou prosseguir. Segue diálogo: 

Silvia - Excelência, vossa excelência me ofendeu e eu preciso responder. 
Telma - (exaltada) Eu ofendi vossa excelência? Eu ofendi vossa excelência? 
Silvia - Vossa excelência me concede a palavra? 
Telma - Não! Vossa Excelência vai poder dizer a mim o que quiser fora daqui. Mas se Vossa Excelência vai baixar o nível, eu não vou... 
Silvia - Não, vossa excelência, eu não vou baixar o nível, Vossa Excelência não me concedeu a palavra, eu deixo que o Tribunal julgue... 
Telma - Vossa Excelência tem a palavra, vossa excelência tem a palavra.
Silvia - Desembargadora Telma, vossa excelência tem toda a liberdade de trazer aqui aos membros do tribunal e à sociedade baiana, os desmandos que vossa excelência encontrou na minha administração...

Por fim, Silvia também ameaçou tirar pastas das gavetas: 

- (...) Eu também tenho pastas e pastas e pastas sobre desmandos também encontrados nas administrações do Tribunal de Justiça. Agora por questões éticas eu não vou apontar desembargadores, porque eu tomei providências que me eram pertinentes na época como presidente do Tribunal de Justiça para corrigir eventuais irregularidades (...)


- Sem resposta. Prossigo - concluiu Telma. 
As desembargadoras guardaram as ameaças ao serem questionadas sobre as acusações feitas em plenário. Procuradas para comentar o tiroteio, "Vossas Excelências" se recusaram a falar. Em sua defesa, a presidente Telma Britto afirmou, por meio da assessoria de imprensa, "que a discussão não era de interesse público".


Leia mais

segunda-feira, 30 de junho de 2014

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (COMISSÃO DIREITOS HUMANOS) CONFIRMA APURAÇÃO DE DENUNCIAS DO JORNALISTA CECÍLIO

APÓS DIVERSAS DENUNCIAS DE VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS NO BRASIL E EM CIDADES ESPECÍFICAS A COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS SE MANIFESTOU, INFORMANDO QUE AS MESMAS ESTÃO SENDO APURADAS NO BRASIL


O Jornalista Cecílio Almeida Matos, no ano passado realizou diversas denuncias de maus tratos a presos, prisões ilegais ,torturas e etc, á Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos, que adotou providencias de apurar e investigar as denuncias nos governos  relatos. Se condenado o Brasil poderá sofrer graves sanções e o Itamarati deverá ser acionado para prestar os esclarecimentos necessários. O Jornalista que é Coordenador Nacional do Movimento Nacional de Combate a corrupção no Brasil, tem adotado posturas radicais de enfrentamento da situação de calamidade que assola diversos estados brasileiros, denunciando corrupção, torturas e violação dos direitos civis em todo o território nacional.
click na foto para amplia-la

Leia mais

LUIZ AURELIANO - ACUSADO DE HOMICÍDIO CONTINUA SOLTO E ABUSANDO DA BOA VONTADE POLÍTICA

VEREADOR LICENCIADO, ACUSADO DE HOMICÍDIO DOLOSO, AGORA SECRETÁRIO MUNICIPAL EM ALAGOAS (SE DIZ AMIGO PESSOAL DE HUMBERTO COSTA) É ACUSADO DE ASSÉDIO MORAL
E ESSE SENHOR CONTINUA SOLTO??


“Aureliano pratica assédio moral na Secretaria de Saúde”, diz enfermeira
Por Giovanni Sá
Divulgação
A enfermeira Poliana Oliveira atua na Secretaria de Saúde de Serra Talhada desde o governo do ex-prefeito Carlos Evandro. Na gestão passada era considerada uma auxiliar de confiança da ex-secretária Socorro Brito e, desde então, se mantinha no administração pois é funcionária de carreira. Mesmo assim, Poliana Oliveira foi exonerada da função que ocupava. Ela atuava como coordenadora do Centro Municipal de Saúde (CMS).
A ordem de demissão partiu do secretário de Saúde, Luiz Aureliano, alegando que “não havia mais clima” para mantê-la no cargo. Poliana Oliveira, no entanto, encontra-se no quarto mês de gravidez. Durante a conversa com o site FAROL de Notícias, garante que o secretário a exonerou de forma arbitrária e lamenta a omissão do prefeito Luciano Duque na questão. A enfermeira revela que sofreu graves assédios morais de Aureliano Carvalho. E só agora teve coragem para expor seu desabafo.

FAROL – O que motivou o secretário a exonerar você?
Poliana Oliveira – Segundo ele, não havia “mais clima” para eu continuar como coordenadora, após eu ter me ausentado. Essas foram as palavras dele, que não argumentou justa causa nenhuma, inclusive no ofício de solicitação não alegou que eu tivesse feito nada. Minha ausência foi de 15 dias, atestada por um médico em virtude de uma ameaça de aborto que sofri já por conta do assédio moral sofrido anteriormente.
FAROL – Que tipo de assédio moral?
Poliana Oliveira – Convocando-me para reuniões com outros coordenadores para perguntar sobre “fuxicos” e boatos e em sala fechada me caluniando, fazendo-me passar por constrangimento, falando de minhas relações pessoais e econômicas insinuando segundo ele, que eu seria “laranja” de Socorro Brito.
Todos os outros coordenadores estavam lá para escutar isso, que é motivo para processá-lo. Ou seja, nenhum motivo profissional, certa vez, eu o perguntei: O que ele achava do meu trabalho? E ele disse: “Que da minha gestão no Centro de Saúde não tinha o que falar, que eu fazia uma boa administração lá!”
Na verdade, até os vereadores da oposição estiveram no Centro de Saúde para fazer uma denúncia de medicamentos (que é com outra coordenadora) e elogiaram meu trabalho, pois sempre me coloquei à disposição de quem quer que fosse lá.
FAROL -  No momento, como está sua situação funcional?
Poliana Oliveira– Legitimamente, continuo como coordenadora do Centro Municipal de Saúde, pois não fui exonerada e nem posso ser (estabilidade provisória em virtude da gestação) e estou impossibilitada de exercer minhas funções pois o secretário mandou um outro profissional de saúde, que obedeceu uma ordem superior manifestamente ilegal e está usurpando um cargo público, no qual não foi nomeado, assumiu sem portaria alguma.
FAROL – E você procurou o prefeito Luciano Duque?
Poliana Oliveira – Sim, ele disse que eu voltasse para o meu lugar e não assinou ofício de exoneração nenhuma; mas como posso voltar se há um colega de trabalho em meu lugar?
Conversei com o deputado Pedro Eugênio relatei toda essa situação, inclusive o fato de Luiz Aureliano se dizer apadrinhado de Humberto Costa. Ele (Aureliano) diz também que o que faz, prefeito não desfaz! O deputado Pedro Eugênio disse que “independente dele ser apadrinhado ou não, não pode estar cometendo atos arbitrários e improbidades administrativas”.
Este cidadão não tem postura de médico ou secretário, é chamando o diretor da Geres para o tapa, é repudiado pela Câmara de Vereadores que retirou uma moção de aplausos pelo seu comportamento. E além do mais, preocupado com a vida pessoal dos funcionários!
FAROL – O que você espera que aconteça após esta entrevista?
Poliana Oliveira – Quero apenas que resolvam legalmente minha situação, pois ele não é todo poderoso para querer passar por cima até das leis; ele (Aureliano) é apenas o secretário que vai sair daqui a no máximo dois anos e eu continuo no meu cargo efetivo alcançado por mérito próprio e não posso ser prejudicada por “caprichos” de ninguém.
Leia mais

domingo, 29 de junho de 2014

PAULO DE DEUS, COM CERTEZA SERÁ O FUTURO PREFEITO DE PAULO AFONSO, NA BAHIA.

PESQUISA PESSOAL COM 4 MIL ENTREVISTADOS CONFIRMA O FAVORITISMO DE PAULO DE DEUS.



Perguntado em quem votaria para prefeito, se em Paulo de Deus ou outro prefeito, 4 mil pessoas responderam que votariam em Paulo de Deus.

Sem falar da zona rural  que nunca foi esquecida pelo Ex prefeito Paulo de Deus, o favoritismo bate de longe em qualquer candidato fabricado nas ventas.

A julgar pelo balanço da carruagem o ex prefeito será realmente o preferido da população;muitas vezes comparado com Juscelino Kubitschek , em relação a cidade que deu um grande salto para o futuro em sua gestão, com lagos limpos, turismo funcionando, vôos diários, bodinho da Chesf e o próprio complexo convivendo em harmonia com a gestão de Paulo de Deus. Zona rural atendida com poços artesianos e desenvolvimento do eco turismo e psicultura, inclusive com a ida do curso de Engenharia de Pesca na cidade, cuja iniciativa partiu do próprio prefeito, pela vocação natural da cidade, rodeada de  lagos. Pavimentou e asfaltou centenas de ruas,construiu o cartão postal da cidade que foi a praça das mangueiras e buscou gerir a saúde com equidade em benefício de todos e não somente de alguns.
Paulo de Deus, é uma daquelas personalidades que sempre falou que não tem inimigos políticos e sim adversários ideológicos e com este pragmatismo político é capaz de se relacionar com petistas, comunistas ou qualquer tipo de governo federal que possa ajudar o crescimento da cidade. Engenheiro, Paulo de Deus, é um gestor público, um técnico. Talvez por isso jamais quisesse sair candidato a deputado estadual ou federal. O negócio de Paulo de Deus é construir, gerir, comandar e não elaborar leis fajutas que jamais serão postas em prática. Está explicada a pesquisa e o seu resultado, é fato que a gestão de Paulo de Deus, deixou marcas e deixou saudades ao povo de Paulo Afonso, do contrário essa pequena enquete não apontaria o favoritismo do mesmo.
Não tenho dúvidas, Paulo de Deus não representa o novo, mas é capaz de reinventar-se novamente e  fazer tudo novo.  
Os demais, são oportunistas de última hora e alguns se quer tem OAB  e ainda se dizem advogados...(afirmar-se advogado, sem sê-lo seria crime?) 
Em tempo: para se saber se um advogado é cadastrado na OAB basta consultar o link da OAB
Leia mais

terça-feira, 24 de junho de 2014

FILHO DE PROMOTOR PÚBLICO É PRESO E URINA NOS COMPUTADORES DA POLÍCIA

ESTUDANTE DE DIREITO E FILHO DE PROMOTOR É PRESO, VAI AO BANHEIRO E VOLTA COM BALDE CHEIO DE URINA PARA DERRAMAR NOS COMPUTADORES DA POLÍCIA

Universitário detido por desacatar PMs joga urina em computadores de delegacia em BHEle atirou um copo de bebida contra um dos militares, gritou palavrões e disse ser filho de um promotor

Publicação: 22/06/2014 15:54 Atualização: 22/06/2014 17:24
Um estudante universitário de 21 anos foi preso, na madrugada deste domingo, após se envolver em uma briga e desacatar policiais militares na Savassi, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Além de danificar uma viatura, ele jogou urina nos computadores da delegacia onde a ocorrência foi registrada.

De acordo com a Polícia Militar (PM), a confusão começou às 3h, no cruzamento da Avenida Cristóvão Colombo com a Rua Inconfidentes. Uma pessoa chamou os policiais para intervir numa possível rixa que estava acontecendo no local. Chegando lá, os militares encontraram o rapaz cercado por um grupo. Exaltado, ele jogou um copo de bebida contra o peito de um dos policiais e começou a insultá-los. 
Consta no boletim de ocorrência que, além de gritar palavrões, ele chamou os policiais de “cachorros de governo” e disse ser filho de um promotor. Ele precisou ser algemado para ser conduzido até a viatura. A caminho da delegacia, ele não parava de se debater e chegou a quebrar parte do veículo. 

Ainda segundo a polícia, durante a confecção do BO na Central de Flagrantes da Polícia Civil (Ceflan) 2, ele voltou a ficar agressivo, urinou em uma garrafa de plástico e jogou contra os computadores. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o estudante foi atuado em flagrante por desacato e levado para o Centro de Remanejamento de Presos da Gameleira (Ceresp).


Leia mais

sábado, 21 de junho de 2014

PONTAPÉ NAS NÁDEGAS DE PAULO RANGEL DÓI NO GOVERNADOR JAQUES WAGNER

O PREFEITO DE PAULO AFONSO, NO NORTE DA BAHIA, CONTINUA ACENDENDO UMA VELA A DEUS E OUTRA AO DIABO....



O Deputado Estadual Paulo Rangel foi preterido pelo prefeito de Paulo Afonso, quando este decidiu em apoiar o candidato e cacique eleitoral por 20 anos, o Deputado Federal  Luiz de Deus, ferrenho opositor ao governo Dilma e apoio declarado ao candidato do DEM Paulo Souto, com isso o Deputado Paulo Rangel  que vinha  à tira colo ajudando o Prefeito Anilton  Bastos, praticamente terá que se virá sozinho, sem máquina administrativa local para  "colaborar" com inaugurações e mesmices de sempre que ludibriam eleitores menos esclarecidos. Rangel tivera sido até o momento o braço direito de Anilton para obtenção dos seus intentos junto ao Governador Jaques Wagner, agora sem votos inclusive local para Dilma Roussef e Jaques Wagner (rui costa) Paulo Rangel possivelmente não fará papel de bobo e já começa a sentir na pele como funciona o maniqueísmo de um grupo que manda e desmanda na cidade há 20 anos ou mais, inclusive com a rádio local do grupo, cujo diretor faz veemente  propaganda para o DEM, o prefeito e apologia ao candidato Paulo Souto, com rasgados elogios ao "netinho" ACM neto. O princípio da boa fé levou Paulo Rangel a tomar um grande pontapé na bund*** e por extensão fez sofrer o governador Jaques wagner.
Leia mais

quarta-feira, 18 de junho de 2014

ONDE ESTAVAM OS COVARDES???

Onde estavam os covardes?

14/06/2014

Florestan Fernandes Jr.
 Onde estavam anteontem os políticos que festejaram a escolha do Brasil
como sede da Copa do Mundo de 2014? Onde estavam:Sérgio Cabral, Eduardo Campos, Aécio Neves, José Serra, Jaques Wagner, Yeda Crusius, Cid Gomes, Carlos Eduardo de Sousa Braga, Wilma de Faria, Roberto Requião, José Roberto Arruda, Blairo Maggi? Onde estava Marina Silva que queria uma sede no Estado dela, o Acre?
Onde estavam os prefeitos, senadores, deputados, ancoras de televisão e rádio que queriam tanto a Copa do Mundo? Onde estavam os prefeitos e governadores responsáveis pelas obras exigidas pela Fifa?
Anteontem, coube a uma única mulher receber toda a agressão de uma torcida rica e privilegiada que conseguiu ingressos para o jogo de abertura em São Paulo. Uma elite raivosa que não perde a chance de destilar seu ódio de classe, seus preconceitos e sua falta de educação. Parabéns, presidenta Dilma, você não se escondeu nos palácios da República como fizeram os governadores, inclusive o senhor Geraldo Alckmin.

Leia mais

sábado, 14 de junho de 2014

LUIZ AURELIANO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE , AMIGO PESSOAL DO EX MINISTRO DA SAÚDE, ALEXANDRE PADILHA É COLOCADO SOB SUSPEITA


+Dilma Bolada  +Dilma RousseffVEVO  +PalacioDoPlanalto
O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PRECISA INVESTIGAR ESSAS GRAVES DENUNCIAS ,POIS LUIZ AURELIANO JÁ RESPONDE PROCESSO NA COMARCA DE PAULO AFONSO,BA; POR HOMICÍDIO DOLOSO

Em resposta a provocações, Dr. Clóvis responde ao desajustado Aureliano

14/06/2014


Após as declarações polêmicas do secretário de Saúde de Serra Talhada, Luiz Aureliano, na rádio Cultura FM, nessa quinta-feira (12), tachando como “imoral e ilegal” a presença do médico Clóvis Carvalho na direção da XI Geres (Gerência Regional de Saúde), o diretor do órgão exerce o seu direito de resposta.
Clóvis Carvalho
Durante a entrevista de rádio, Aureliano criticou o trabalho dos diretores do órgão estadual de saúde e disse que José Alves, coordenador da Atenção Básica da XI Geres, seria um “pau-mandado do doutor Clóvis Carvalho” e que a dupla de gestores “estaria fazendo de tudo para boicotar a saúde pública de Serra Talhada”.

Nesta opinião, por outro lado, Dr. Clovinho, como é mais conhecido, evidencia muitas coisas “obscuras” que estariam relacionadas ao trabalho de Luiz Aureliano à frente da Secretaria de Saúde de Serra Talhada. E coloca em xeque o discurso dele sobre ética e probidade administrativa.
DIREITO DE RESPOSTA
Sinto-me na obrigação de prestar esclarecimentos à população, em função de ocupar um cargo público e ter sido provocado quanto a minha conduta moral e ética.  Evitarei citar nomes de pessoas ou serviços, em respeito àqueles com quem convivi durante boa parte da minha vida pessoal e profissional, encerrando a minha participação nesta pendenga, sem chance de réplica ou revanchismo. A XI Geres sempre esteve aberta para o diálogo e a parceria com o município. Este é o seu papel.
É público e notório que a sobrecarga do Hospam é consequente ao ineficiente desempenho da atenção básica dos municípios, pois, 70% dos atendimentos realizados no Hospam, deveriam acontecer nas unidades básicas de saúde (PSF e postos de saúde). Além disso, a rede complementar de saúde (Pronto Socorro São José, São Vicente, Souto Maior e São Francisco), que tem gestão municipal, não exerce o seu papel de receber os pacientes encaminhados pelo Hospam.
O município não implantou a Central de Regulação Médica Municipal (apesar de ter recebido os recursos para esta finalidade), que deveria ser acionada pelo Hospam quando seu percentual de ocupação  atingisse 80%. O município recebe mais de R$ 800 mil mensais para esta ação de assistência hospitalar.
Clóvis Carvalho e o Hospam
Quanto ao médico anestesista Clóvis Carvalho realizar anestesia no Hospam através da COOPANEST-PE (Cooperativa de Anestesia de Pernambuco) é um ato legal. Pois, existe um contrato de prestação de serviços entre a Cooperativa à qual pertence e a Secretaria Estadual de Saúde, desde 1995. As anestesias realizadas são autorizadas pela direção do Hospam e depois analisadas pela Auditoria da Secretaria Estadual. Quando autorizadas, o pagamento é realizado à Cooperativa, que repassa o pagamento aos cooperados, após generosa tributação.
A minha passagem pela Geres foi bastante produtiva para Serra Talhada, pois quando assumi este cargo, Serra Talhada pertencia a X Geres (Afogados da Ingazeira). A partir do meu trabalho, de dedicados colaboradores e decisão política, Serra Talhada passou a ser sede da XI Geres; depois, sede da III Macro-Região de Saúde, ganhando o mesmo status de Recife, Caruaru e Petrolina. Como consequência, veio a Faculdade de Medicina da UPE, a Central de Regulação Macro-Regional do Samu, a UPA-E, o projeto já aprovado de transformação do Hospam em Maternidade de Alto Risco com UTI e UCI neonatal e a construção do Hospital Regional do Sertão em área de 45 mil metros quadrados, situado às margens da BR-232, doados pela construtora Duarte (em fase de regularização documental).
Hospital São Vicente
Quanto ao desenvolvimento do Hospital São Vicente, houve visão de futuro, quando o serviço agregou tecnologia  através de investimentos com recursos privados dos seus sócios. Hoje, presta excelentes serviços de alta complexidade aos usuários do SUS nesta macro-região de saúde em três contratos que mantém com a SES – Secretaria Estadual de Saúde em UTI, Centro de Imagens e Traumato-Ortopedia. Para isto, participou dos Processos Licitatórios, publicados no D.O.E. (Diário Oficial do Estado); sendo um direito a participação de qualquer empresa de saúde no certame.
Lembro que quando o ex-prefeito Carlos Evandro fazia parte do grupo do Deputado Inocêncio Oliveira, durante quase 8 anos, nenhum serviço foi comprado ao Hospital São Vicente, com recursos do tesouro municipal.
Quanto a minha participação na sociedade do Hospital São Vicente,  no contrato Social, do qual a Secretaria de Saúde do município é detentora de cópia, existem todas as alterações contratuais com a inclusão de todos os sócios. Mas eu pergunto: Será que a população está interessada em conhecer a composição societária de uma empresa ou na qualidade do serviço que ela vai entregar para a população?
Ministério Público
Concordo com o Secretário Luiz Aureliano em consultar o Ministério Público Estadual e também Federal, para esclarecer suas dúvidas (e as minhas dúvidas também), sobre a ética no serviço público. Pergunto:
1- É legal e ético o secretário contratar e autorizar procedimentos para uma clínica pertencente a uma filha?
2- É legal e ético o secretário contratar um traumatologista para prestar serviço ao município, remunerando por consulta múltiplos da tabela SUS, sendo este profissional o seu próprio filho?
3- É legal e ético a secretário municipal de Saúde contratar o dermatologista Luiz Aureliano para prestar serviço ao município, quando ele é o próprio secretário?
4- É legal, ético e exemplar o secretário trabalhar em um PSF de outra cidade (Nazaré do Pico – em Floresta) e ser demitido por falta do cumprimento da carga horária?
5- É legal e ético o secretário contratar 2 supervisores médicos para o município, sem vínculo público, sendo eles irmãos do próprio secretário?
6- É legal e ético o secretário complementar tabela do SUS em uma clínica privada conveniada de Serra Talhada, onde seu filho trabalha; proibindo a participação de outros hospitais da cidade?
7- É legal e ético o secretário patrocinar privilégios através de cotas na saúde para vereadores e lideranças políticas ligadas ao governo municipal, desviando as portas de entrada do Sistema Único de Saúde?
Obrigação legal em esclarecer
Entendo que os entes públicos precisam aceitar críticas com fundamento. Não interessa para a população questões partidárias ou ideológicas e sim atitudes responsáveis que contemplem as necessidades dos usuários, no exercício da cidadania. O secretário municipal tem a obrigação legal de prestar contas à população sobre:
8 – Como estão sendo aplicados os recursos em torno de R$ 3 milhões que a Secretaria Municipal de Saúde dispõe mensalmente?
9 – Por que a atenção básica não cumpre o seu papel?
10 – Por que a central de regulação não foi implantada?
11 – Por que a UPA 24 horas não saiu do papel?
12 – Por que a Central de Regulação do Samu ainda não funcionou?
13 – Por que a rede complementar de hospitais, composta há mais de 40 anos por 4 hospitais tradicionais da cidade, tem que ser FECHADA, em favor somente de uma clínica que possui bons profissionais, mas não tem capacidade instalada para receber a demanda que era distribuída para toda a rede?
Atenciosamente,
Clóvis Carvalho
Leia mais

sexta-feira, 13 de junho de 2014

LUIZ AURELIANO ,VEREADOR LICENCIADO DE PAULO AFONSO, ACUSADO DE HOMICÍDIO;AMEAÇA DE SURRAR UM SERVIDOR PÚBLICO

O ATUAL SECRETÁRIO DE SAÚDE MUNICIPAL DE SERRA TALHADA EM PERNAMBUCO E VEREADOR LICENCIADO DO PT DE PAULO AFONSO NA BAHIA; ACREDITANDO QUE PODERIA ESTÁ NO VELHO OESTE, DESTRAMBELHADAMENTE PERDE O CONTROLE E CHAMA SERVIDOR PUBLICO PARA A BRIGA.
O HISTÓRICO DE AGRESSIVIDADE DESSE SENHOR JÁ É CONHECIDA EM PAULO AFONSO, ONDE O MESMO RESPONDE A PROCESSO POR HOMICÍDIO E OUTROS PROCESSOS POR AGRESSÕES, ALÉM DE INQUÉRITOS PELA MORTE DE PELO MENOS MAIS DOIS BEBÊS. E CONTINUA ARROGANTE,SOLTO...

BAIXARIA: Secretário de Saúde Luiz Aureliano arruma confusão em Serra Talhada, perde o controle e tenta resolver impasse na porrada.

 Aureliano apronta novamente.

O Secretário de Saúde de Serra Talhada, Luiz Aureliano, não conseguiu resolver uma questão técnica no discurso e convencimento e partiu para o enfrentamento físico.

O fato aconteceu nessa quarta-feira (11) durante a reunião do colegiado da XI Gerência Regional de Saúde (Geres) que reúne secretários da região. O episódio foi confirmado pelo coordenador da Atenção Básica da XI Geres, José Alves.

“Durante a reunião, ele (Aureliano) queria que a implantação do programa de saúde bucal nos postos de saúde fosse feita sem a supervisão da XI Geres. Ele sabe que esta é uma norma do Ministério da Saúde e não podemos autorizar o funcionamento sem uma supervisão.

Quando fiz o argumento, o secretário ficou nervoso, se exaltou, mandou eu calar a boca e me chamou para brigar fora da sala”, relatou José Alves, arrematando:

“Jamais eu iria aceitar a provocação do secretário. Eu sou um técnico e costumo fazer as coisas certas. Não irei aceitar qualquer tipo de provocação”, disse José Alves.

Durante entrevista à rádio Cultura FM, nesta quinta-feira (12), o secretário de Saúde de Serra Talhada Luiz Aureliano confirmou que chamou o coordenador da Atenção Básica da XI Geres (Gerência Regional de Saúde), José Alves, para a briga.

“Então, ele (José Alves) partiu com agressividade para o meu lado gritando e me desrespeitando. E eu disse que se ele fosse homem a agente fosse lá pra fora que a gente resolvia como homem'', indagou Aureliano.

Fonte: Farol de Noticias.
http://www.pauloafonsonoticias.com/2014/06/baixaria-secretario-de-saude-luiz.html 
Leia mais